Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."


Deixe um comentário

Recados para o Meu Amigo Orlando

recados-orlando

Primeiro e Inaugural Recado.

O meu amigo Orlando Meneses pensa que é sportinguista, diz que é sportinguista, fala com sportinguistas, mas, no fundo, no fundo, é um fervoroso benfiquista dos cinco costados. Caso contrário, como explicaríamos que, em cada dez batidas do seu coração, nove fossem pelo Glorioso? Como se explicaria que todos os seus pensamentos, maus e bons, fossem acerca do Benfica? O meu amigo Orlando Meneses pode não saber, mas ele é um fanático benfiquista. A sua mente está quase sempre virada para o Glorioso. E digo quase porque, como é bom homem e um excelente avô, de vez em quando pensa nos netos!

O meu amigo Orlando Meneses é um brincalhão, gosta de metáforas e ambiguidades e palavras matreiras que dizem sem referir, que sugerem sem dizer, que insinuam sem anunciar… e meteu-se comigo.

E eu que sempre andei ali no politicamente correto, na justiça da análise, na busca da honestidade e da verdade, passava a vida a levar bicadas e apertões no nariz. Ai é?! Pois agora, meu amigo, chegou a hora de partir a loiça toda!

Eu bem sei que hoje estavas à espera que eu me refugiasse no aconchego dos lençóis e não viesse às redes sociais por causa da pizza napolitana. Estás enganado, foi só acabar de fumar o meu cigarro falso que um falso presidente de uma quase falsa agremiação me emprestou e vim aqui dizer-te que o nosso Benfica está apurado para os oitavos de final da Champions League onde, como o nome indica, só estão campeões.

Olha, amigo Orlando, o sorteio é terça feira. Encontramo-nos lá. Ou a ti, desta vez, não te apetece ir???? Desta vez? Huummm… cá para mim não sabes o caminho para a sala de sorteios…

A pizza hoje foi um bocadinho indigesta, mas no fim de semana já comemos coisas mais leves. Verdurinha!

Sempre a estimar-te,

João Paulo Videira


Deixe um comentário

Sementeira

sementeira

No início, era um quase sorriso,
Um esgar.
Um olhar tímido e indeciso,
Um choro contido,
A preocupar.

Depois desse tempo inicial,
Em que não me vias
Ainda,
Chegou a coisa mais linda.
Uma esperança.
Um gesto de confiança,
As tuas mãos mais perto,
Um sorriso aberto.

Foi tempo de me falares
Com emoção,
De me olhares como quem pede,
De me estenderes palavras
À passagem,
De fazermos a viagem
Dos riscos
E do prazer.

E chegou, por fim, o infinito.
O lânguido e ocioso grito
Durante e depois do sexo.
Veio o tempo do côncavo
E do convexo.
Veio o tempo de me incendiares
A carne
Com a saliva do teu desejo,
Uma gula voraz,
Em sentido e profundo beijo.
E tuas mãos tomaram conta de mim,
Novos gritos e urros
E carícias sem fim…

E houve a descoberta!
Não está mais deserta
A planície do teu corpo.
Está semeada de mim!

jpv
Imagem daqui.


Deixe um comentário

“A Paixão de Madalena” na Feira do Livro da EPM-CELP.

Depois da apresentação, a Escola Portuguesa colhe também “A Paixão de Madalena” na Feira do Livro que começa amanhã.

Um evento a não perder por muitas razões e… mais esta.

Imagens da apresentação de “A Paixão de Madalena” na EPM-CELP .


Deixe um comentário

Um Momento Mágico!

a-paixao-de-madalena-epm-celp

O mínimo que pode dizer-se da apresentação de “A Paixão de Madalena” na Escola Portuguesa de Moçambique, esta tarde, é que foi um momento mágico!

Pedi à minha querida amiga, Olga Pires, que lesse e apresentasse o romance. Ela organizou uma sessão com leitura de excertos por alunos seguida de perguntas sobre as diversas temáticas que o romance aborda, em particular, aquilo a que a Olga chamou de “quebrar tabus”.

Claro que me senti confrontado, mas adorei a experiência e penso que a apresentação foi uma excelente e inteligentíssima promoção do livro e da leitura em geral.

Renovo o meu agradecimento à Direção e ao Centro de Formação da EPM-CELP, aos alunos que estiveram brilhantes, aos amigos, familiares, colegas e leitores que compareceram e, de novo, porque nunca será suficiente, à Olga Pires pelo carinho e pela sensibilidade que colocou na organização da apresentação.

O livro está à venda no Centro de Formação da Escola Portuguesa de Moçambique e em breve estará nas livrarias de Maputo. Quando tal acontecer, farei publicitação.

Muito Obrigado
João Paulo Videira

Um abraço especial ao Pedro Andrade que tirou e gentilmente cedeu a foto.


Deixe um comentário

Alô Maputo! É já amanhã!

Alô Maputo! É já amanhã!
 
Quarta feira, 16 de novembro, 16:30h, Auditório Carlos Paredes da Escola Portuguesa de Moçambique, apresentação do romance “A Paixão de Madalena”.
 
Evento aberto ao público em geral. Vem e traz um@ amig@!
a-paixao-de-madalena-cartaz-maputo


Deixe um comentário

“A Paixão de Madalena” chega a Maputo.

Alô Maputo!
 
Na próxima quarta feira, 16 de novembro de 2016, pelas 16:30h, no auditório Carlos Paredes da Escola Portuguesa de Moçambique, realizar-se-á uma sessão de apresentação do romance “A Paixão de Madalena”.
 
A Olga Horacio Pires amavelmente aceitou o convite para apresentar o romance. Obrigado Olguinha!
 
Estão todos convidados! Claro!

a-paixao-de-madalena-cartaz-maputo


Deixe um comentário

Livro da Coragem – 22

usa-flag

America Great Again…

Nem os Estados Unidos da América são só um país, nem o seu presidente é só um homem. Ou uma mulher.

O problema, esse problema que os americanos tentam hoje resolver, não é solúvel. E, a meu ver, o que é profundamente inquietante não é colocar o povo americano perante duas más opções. O que é profundamente inquietante é ter-se percorrido um longo caminho de escrutínio e avaliação para se chegar aqui e, contudo, oferecer a milhões de eleitores a escolha entre o mau e o muito mau. Será que, ao longo do processo que conduziu os americanos a esta dilacerante e fatídica escolha, não havia alguém efetivamente capacitado para o exercício de um dos mais importantes cargos do mundo?

E não me venham com a história de que isso é lá com os americanos. Tudo o que seja lá com os americanos, os russos e os chineses é com toda a gente. O resultado desta eleição afetar-nos-á a todos.

Para mim, o muito mau é Trump. O homem representa tudo o que há de mais vil e ignaro ao cimo da terra. A sua eleição seria uma regressão estupidificante do ponto de vista… enfim, sob qualquer ponto de vista.

Hillary tem demasiados fantasmas. O fantasma do republicanismo convicto do pai. O fantasma do segundo mandato do marido no cargo a que ela agora se candidata. O fantasma das acusações de fraude. O fantasma de uma primeira corrida à Casa Branca marcada pela desistência. O fantasma de Barack Obama, o Presidente com classe, com sentido de humor, sem escândalos nem suspeições.

Um é muito mau e a outra não lidera uma candidatura genuína e pujante. Parte cansada e desgastada. Uma candidata que sabe colherá muitos votos de quem não quer correr o risco de ter a Besta como Presidente de uma das mais poderosas nações do mundo. E, se ganhar, Hillary terá sobre a cabeça as damocleas espadas de todos esses eleitores de mal menor.

Não sei quem anunciarão mais logo, espero que seja a primeira mulher Presidente dos Estados Unidos da América, mas sei que amanhã a América não começa a ser great again!

jpv


Deixe um comentário

Livro da Coragem – 21

livro-da-coragem

Bolinhos, bolinhós…

Não tenho nada contra o “Haloween”. Nem a favor. Não me diz nada. Culturalmente, pertence a outras geografias e na minha família nunca teve qualquer espécie de relevo.

Já o Dia de Todos os Santos é toda uma memória. Pela manhã, bem cedo, a azáfama de preparar o farnel, o carvão, fogareiro, o abano, bebidas para adultos e miúdos, um frasquinho com sal e outro com açúcar, a cafeteira do café, os guardanapos, as colherzinhas, as mantas para colocar no chão, a cadeira articulada do meu pai, os panos da loiça, a toalha de mesa e uma mesinha pequenina cujas pernas se dobravam. Romaria ao cemitério da Conchada a comprar as flores e a acompanhar a Mimi que visitava os defuntos todos. Os dela e os dos vizinhos. Na altura, eu não tinha defuntos. Aprendi os rituais. Depois das orações e do passeio silencioso pelo jardim dos mortos, enfiávamo-nos todos na 4L do meu pai e lá íamos a caminho de Santa Quitéria, ali para os lados de Pombeiro da Beira. À chegada, era ver as gentes montanha acima e montanha abaixo espalhadas, acendendo lumes, oferecendo do seu vinho a provar, as famílias trocando abraços. Seguia-se a peregrinação de ir comprar pão, castanhas, uns chouriços, umas morcelas e, claro, as febras. A passagem inevitável pela capelinha da Santa e depois o nosso próprio ritual de acender o lume, a Mimi de volta dele com uns gravetos que eu e a minha irmã tínhamos ido apanhar pelo pinhal, e a dar-lhe com o abano, a minha mãe temperava a carne e o meu pai sorvia aqueles momentos como se soubesse que nos deixaria neste mundo antes de todos os outros e quisesse aproveitar cada segundo. Comíamos e bebíamos, conversávamos e depois procurávamos um poiso para olhar o céu por entre as ramagens dos pinheiros enquanto os adultos dormiam a sesta.

Aqui onde vivo não é feriado. É um dia de trabalho normal. E isso magoa-me, como me magoou a suspensão desse feriado nos últimos anos. É que, agora, infelizmente e porque o Senhor Tempo não para, já tenho defuntos. A Mimi, velhinha, de cancro, o meu querido pai, que tanta falta me faz a cada segundo que passa, aos 65, do coração, a minha avó Ana, do pâncreas, o meu avô Velez, de cansaço, a minha avó Letícia e o meu avô Francisco, tanto quanto sei, de velhice… e tantos outros que me povoaram a infância… estes são os meus Santinhos, as almas por que rezarei amanhã. Não é uma coisa que se resuma à religiosidade do dia. É a tradição de manter a família unida, vivos e mortos, num só ritual. É uma evocação dos tempos em que fui mais feliz porque, nesses dias, havia toda uma vida a viver, e tudo era duradouro e seguro e eterno. E todas as minhas decisões eram claras e óbvias e todos os meus gestos eram simples e imaculados.

Amanhã, para mim, não é o “Halloween”, empréstimo de outras gentes. Amanhã, é Dia de Todos os Santos e hoje é a noite de sair por aí tocando e batendo às portas, “Bolinhos, bolinhós, para mim e para vós…”

jpv


Deixe um comentário

Volta ao Mundo

20160522_090448

Uma palavra que seja.
Uma palavra para que se veja.
Uma palavra é como ter-te aqui.
Uma palavra é o princípio de todas as coisas.
E é o fim.

A tua voz embala destinos.
A tua voz são infinitos caminhos.
A tua voz é a grandeza de sentir-se pequeno.
A tua voz inaugura um homem e funda uma nação.
De esperança.

A distância que nos une
É maior e mais grande que este tapete que faço e desfaço.
Vive no fulgor de um abraço, na doçura do teu olhar.
A distância que nos une
É a exata forma do querer e do amar.

Procurei-te onde não estavas.
Corri montes e cabeços.
Ao sol, à chuva e ao vento.
Indiferente à desilusão e ao tempo.
E encontrei-te no lugar pequeno de meu coração.

Para ir tão longe…
Não era preciso dar a volta ao mundo da ilusão.

jpv