Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

O Clã do Comboio – Operação Coirato Feliz

1 Comentário

Operação Coirato Feliz

A ideia, justiça lhe seja feita, foi do VM. Um belo dia, entra no comboio pela manhã e diz com aquela natural lata que o caracteriza, Um dia destes podíamos sair em Vila Franca e ir aos coiratos. Àquela hora pareceu indigesto mas não impossível. Para o Clã não há impossíveis. Acertou-se logo ali o dia. Traçou-se um plano. A ideia era apanhar o interregional das 18:18 de regresso a casa, sair em Vila Franca de Xira, ir aos coiratos e apanhar o regional seguinte, o que sai de Lisboa às 18:48. Meu dito, meu feito.

Quando chegámos a Vila Franca, saímos do comboio e fomos ao encontro do VM que já tinha ido desbravar terreno com o JJ para a Taberna dos Coiratos. Ia o Escritor, o Rapaz do Fato Cinzento, a Rapariga do Riso Fácil e a PL. O Rapaz do Fato Cinzento não largava o telemóvel. Soubemos mais tarde porquê. Quando encontrámos o VM, ele estava esquisito, tinha um sorriso engraçado, os olhos muito pequeninos e vermelhinhos e o passo a cinco e três oito. Veio-nos buscar à estação e lá explicou que já tinha estado nos coiratos e nos tintinhos com o JJ. Não parava de dizer, Vocês vão detestar aquilo, mas é típico. Quando lá chegámos, o Rapaz do Fato Cinzento saiu a correr. Achámos que ele estava a ficar tontinho, mas percebemos tudo quando ele regressou trazendo consigo a Senhora da Revista de Culinária. Foi uma surpresa fantástica. Ela tinha perdido o interregional, mas apanhou o intercidades e foi aos coiratos connosco.

A Taberna é surreal e muito típica. Uma porta velha, um corredor muito comprido e escuro que vai dar para o que em tempos foi um pátio e que agora está coberto. Um balcão ao fundo de frente a toda a largura da casa onde só se servem copos de vinho e cervejas. Nada que envolva máquinas, nem imperiais, nem cafés. Há cartazes de touradas antigas, mesas diversas, dois frascos de piri-piri. Ou melhor, um frasco e umagalhetacomo lhe chamou o senhor que estava a servir copos. Um ambiente rural e ribatejano, com velhotes e gente nova de volta dos coiratos. A um canto, um pequeno fogão separado de nós por um vidro com um buraco para se fazer o pedido. Fazer o pedido é simples. Lá não se serve mais nada. Só coiratos. Então uma pessoa aproxima-se do vidro e diz um número: 3, 4, 5. O número que disser é o número de sandes que leva. O homem que cozinha os coiratos, muito bons, de resto, sua abundantemente para cima deles, mas acho que eles nem sabiam tão bem se não fosse assim. Uma sandes e um copo de vinho custam 1,5€. O VM pagou as primeiras sandes com o copo de vinho. A PL quis pagar a rodada seguinte, mas o Escritor adiantou-se, depois a PL foi ao balcão e teimou que queria pagar uma rodada. É mulher danada, disse o homem atrás do balcão. E ela pagou. E depois foi a vez do Rapaz do Fato Cinzento e depois da Rapariga do Riso Fácil. Quando abandonámos o local, a nossa mesa estava cheia de guardanapos daqueles pequeninos e cheios de goma que, em vez de limparem, espalham a gordura pela cara, rodelas de vinho e copos vazios. Fizemos vários brindes e a PL surpreendeu-nos a todos com um penalti à moda antiga. O Escritor, de cada vez que bebia, batia com o copo na mesa e fazia, Ahhhh! O VM, à saída, virou-se para umas pessoas e falando de nós disse, Desculpem lá, há aí tanta mesa de camponês tão limpinha e logo estes intelectuais é que parecem uns animais! Noutra altura tínhamos-lhe dado uma coça, naquele dia limitámo-nos a rir.

Fomos apanhar o regional seguinte onde sabíamos que vinha a Rapariga com Brinco de Pérola. Quando o comboio chegou, o Rapaz do Fato Cinzento irrompeu por ele a dentro a gritar o nome da Rapariga com Brinco de Pérola muito alto. Logo atrás dele ia o Escritor a fazer o mesmo. Ela ficou mais do que corada. As pessoas estavam um tanto incrédulas. Tentámos correr com as pessoas dos bancos para nos sentarmos, mas não resultou. Então resolvemos ir todos em pé a conversar. E assim foi… e, no entretanto, fomos distribuindo cartões de visita do blogue enquanto o Rapaz do Fato Cinzento dizia, Hoje sinto-me tão desinibida. A Senhora da Revista de Culinária tirava fotos e chorava de riso. Acabámos por nos conseguir sentar. O VM ia encostado ao vidro, com um ar alucinado e o cabelo todo despenteado. Parecia o ALF. O VM e o Rapaz do Fato Cinzento começaram a gozar com a Rapariga com Brinco de Pérola por causa dela falar francês. Perguntaram se ela tinha trazido avalise de carton e se erasadomasô(com tentativa de pronúncia francesa) e foi nesta altura que ela aplicou uma das suas famosas caneladas no Rapaz do Fato Cinzento que ficou marcado para todo o sempre. A Rapariga do Riso Fácil resolveu desinibir-se e vai daí esticou as pernas e assentou os pés no colo do Rapaz do Fato Cinzento. Este por sua vez meteu-se com o Picas e o seu anel e perguntou-lhe se ele era motoqueiro. A resposta não se fez esperar: Motoqueiro não, Motard! Ao fundo ia a brigada da laca chefiada por uma velhinha que se partia toda a rir até que aconteceu um momento inesquecível de entre todas as inesquecíveis loucuras desse dia.

O Escritor e o Rapaz do Fato Cinzento repararam numa moça toda jeitosa que ia uns bancos mais à frente sentada ao comprido com as pernas esticadas por cima dos bancos. Como não conseguiam vê-la bem porque estavam sentados, começaram a fazer exercícios de ginástica do tipo levantar e sentar, 1, 2, 3, para cima. 1, 2, 3 para baixo. Claro que enquanto estavam em cima miravam alarvemente a rapariga que se ia rindo deles e das lindas figuras que estavam a fazer.

Saímos em loucura do comboio com a PL e o Escritor a contarem anedotas. O Rapaz do Fato Cinzento chamava por uma desconhecida, Vanessa! Raquel!… e ela nada. A Rapariga do Riso Fácil desinibiu-se de vez e disse-lhe, Olha lá, eu sou gira, não sou?

A Rapariga com Brinco de Pérola teve uma grande demonstração de carinho da nossa parte e, ao mesmo tempo, deve ter passado uma das maiores vergonhas da sua vida.

Eu acho que o VM teve uma excelente ideia e acho também que, depois de um dia de trabalho intenso, umas quantas graçolas e brincadeiras inofensivas fazem bem à alma e ajudam a aproximar as pessoas. E isso é bom porque nós, humanos, nascemos sozinhos, morremos sozinhos e passamos grande parte das nossas vidas sozinhos ou envolvidos em problemas. Esta solidariedade do Clã do Comboio, além de todas as outras vantagens é absoluta e miraculosamente libertadora e… como diziam os gregos, catártica!

jpv

Anúncios

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

One thought on “O Clã do Comboio – Operação Coirato Feliz

  1. DISCRETO E SILENCIOSO
    Como sou uma pessoa que gosta de discrição, a entrada dos amigos do Clã no comboio pouco habitual para eles mas muito habitual para mim foi, se não uma surpresa (pois eles tinham-me informado), pelo menos um embaraço : é que eles não se contentaram de entrar para se juntarem a mim ! Penso que tinham a intenção de informar todos os viajantes da carruagem sobre o meu nome e de falar o mais alto possível.
    Chegaram então e, como já referido pelo amigo Escritor, o VM vinha com os olhos pequeninos… mas não era o único. É que eles não se contentaram de comer coirato, o vinho que acompanhava também parece ter sido ao seu agrado de forma que estavam numa disposição das mais exuberantes, dispostos a me fazerem corar ainda mais que o habitual.
    No entanto, caros amigos do Clã, mesmo se me fazem corar de vez em quando, nunca me envergonham ao contrário do que foi sugerido acima. A vossa companhia, se nem sempre é discreta, é pelo menos alegre e muitas vezes surrealista, pois vocês sabem tornar manhãs tristes e sonolentas em viagens através dos países do riso, da paródia mas também, como já foi aqui demostrado, da solidariedade!
    E ocasionalmente, sabem também transformar uma viagem de regresso habitualmente solitária numa aventura que se faz jogo onde o objectivo é convencer os outros ocupantes da carruagem de que : “Sim eu conheco-os! Sim viajo com eles! Mas por favor não me enviem para fora do comboio quando os envirem a eles!” ou coisa assim parecida!
    Obrigada a todos de me fazer corar de vez em quando!
    Até breve no “nosso” interregional!
    RCBP

    Gostar

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s