Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

"Com Amor," – Documento 57

Deixe um comentário

Rui,

Não esconderei. A minha opinião foi uma deixa, uma pequena provocação. Para mim era importante saber se quereria saber. Se quisesse, contar-lho-ia. Já havia decidido. A única pessoa que sabe o que estou prestes a contar-lhe é a minha irmã. Tenho sentido esta vontade esquisita e pouco habitual em mim de conversar estes assuntos com alguém completamente alheio aos meus problemas. Sei que não deveria fazê-lo. Há algo nisto que quebra as barreiras da lealdade, mas rebentaria se não desabafasse. Peço-lhe que me desculpe pelo meu atrevimento, mas, de facto, a sua explicação para o fenecer de um matrimónio veio acordar em mim um assunto que eu andava a existir que não existia. Mas existe.

Como sabe, eu sou casada com o Alberto Honorato. Ele é sócio-gerente de um dos nossos fornecedores de serviços, mais propriamente, do software de gestão. Temos dois filhos crescidos. Um, na faculdade, em engenharia informática, e o outro a terminar o secundário. Quer ir para o mesmo curso do irmão. Eles pensam que está tudo bem entre os pais, mas não está e esse tem sido um erro nosso, deixá-los acreditar numa mentira. O meu marido já só me procura para sexo e, mesmo assim, sem muita convicção. Quase não conversamos e quando o fazemos, ou estamos a tratar de aspectos logísticos de gestão da família, ou estamos a discutir. Eu nem preciso acabar de o ouvir falar para discordar dele. Muitas vezes, ainda ele não começou a falar e eu já sinto uma revolta no peito e sei que vou rebatê-lo. Isto é perfeitamente recíproco. Ele faz o mesmo comigo. Já conversámos mil vezes sobre o assunto. Já mil vezes prometemos que iríamos mudar, mas voltamos sempre ao mesmo. Eu digo-lhe que o amo, ele diz-me que me ama. E acho que falamos verdade. E é aqui que entra a sua explicação. A ser verdade que nos amamos, pode acontecer que não saibamos amar-nos… O certo é que não há carinho nem ternura. Somente alguma tolerância. Sabe, quando penso em nós, vêm-me com frequência à cabeça alguns versos de uma canção espanhola que se chama “Palabras”:

Que al igual que tu y que yoNi se importan ni se estorbanSe soportan amistosas.Mas no son una cancion…

Há mais de 20 anos casada, num casamento moribundo, de morte adiada por comodismo e depois um engano, um simples engano, traz-me ao conhecimento um texto pungente de dor, mas pleno de um amor intenso e forte. Meu Deus, quem me dera ser assim tão intensa e verdadeiramente amada, que alguém abdicasse de mim para me permitir ser feliz. Isto parece injusto, mas não é. São só saudades de mim. Saudades de ser a Laura que a Laura reconhece. Nestes últimos anos, Rui, tenho só sido mais uma Laura qualquer que nem eu reconheço.

Desculpe-me tudo isto. Se quiser, pode, pura e simplesmente, ignorar este desabafo. Se optar por dizer algo, seja benevolente com esta alma perdida.

Abraço.

Laura.

Anúncios

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s