Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

O Ofício da Memória – Ele

1 Comentário

O Ofício da Memória – Ele

VIII
Gosta de conduzir. Sempre gostou. Sobretudo assim, numa tarde quente de verão com o sol pendurado lá no alto e o céu banhando o horizonte de azul, janela aberta, mangas da camisa arregaçadas, um braço de fora e o vento a barulhar nas roupas. É uma indescritível sensação de liberdade. E consegue pensar. Consegue pensar sem obstáculos. É como se a estrada livre lhe entrasse pela alma dentro e abrisse os caminhos do pensamento. Conhece poucas coisas que aprecie mais e, contudo, é um homem de gostar da vida e das coisas nela. Uma cerveja gelada numa tarde de calor e amigos, ver as filhas crescer, ler um livro, ver o encarnado das camisolas do Benfica sobre o verde mágico do relvado, dormir e, claro, fazer amor. Conduzir tem outras vantagens, é a ilha das ilhas, o isolamento e a confiança absoluta em si, é como um jogo de comunicar e é por isso que se sente sempre profundamente realizado e feliz quando conduz. Mas hoje há qualquer coisa no peito. Não é um sobressalto, não é uma preocupação, é algo indefinível e perturbante. Uma interrogação. Fixa o olhar atento na estrada, faz gestos mecânicos e procura na mente a pergunta. Só depois se dará ao trabalho de buscar a resposta. Se ainda fizer sentido. Mas nada se esconde assim tão bem na mente de um homem que o próprio não possa vasculhar e encontrar. E encontrou. Encontrou a semente daquela inquietude. A caminho de estar com ela, a caminho de revê-la, pergunta-se que sentido fará. Sim, que sentido faz este encontro?

IX
Em primeiro lugar, esclareceu-se a si próprio. Vai porque quer. É um ato voluntário. Não vai enganar-se e pensar que não foi surpreendido pelo mail dela estabelecendo contacto. Claro que sim. Mas, na altura, encarou isso como uma surpresa boa. O seu receio não é revê-la, falar com ela. É mexer num momento do passado que armazenou como perfeito e estragar-lhe os contornos da perfeição. Mas ela pediu. E ele também vai porque ela pediu. Porque sentiu na solicitação dela um grito de ajuda, um estender de mão para a tábua de salvação. E quando nos estendem assim a mão, há que segurá-la e trazer à tona a alma em apuros. Háoutra razão, sim. Não pode mentir-se isso, é o tipo de honestidade que a sua consciência deve à sua consciência. Vai por curiosidade. Quer saber como ela está. A verdade é que ela nunca foi nada para si e foi sempre tudo. Nunca foi nada porque nada nos gestos dela interferiu na vida dele após o seu encontro. Foi uma ausência. Só. Foi sempre tudo porque nunca deixou de habitar-lhe o pensamento, nunca deixou de assaltar-lhe as emoções, nunca deixou de o guiar na forma de entregar-se a uma mulher, de a receber em si.

X
É irónico que adore conduzir e esteja prazenteiramente conduzindo para rever uma mulher do tempo de antes de conduzir. É incrível. Só agora pensa nisso. Na altura, nem carta tinha. Era um adolescente que queria ser homem, um homem a acabar de ser adolescente. Só agora repara na coincidência. Conheceu há trinta anos a mulher que lhe inaugurou o corpo, a sua inimitável ensinadora de sua aprendente sofreguidão. Como lhe está grato! São curiosos os caminhos da vida. Há mesmo quem lhes chame coincidências, mas coincidências deve ser palavra pouca para uma tão magnífica organização da ordem das coisas no Universo. Ela começou este percurso com quarenta e sete anos. A idade com que ele vem retomá-lo. Há entre os dois sessenta anos de experiências, vividas em trinta, a amplitude etária que começa na barba rala e no corpo musculado dos dezassete anos de um jovem e termina nos cabelos brancos e na pele enrugada dos setenta e sete anos de uma senhora em serôdia idade.

XI
Preciso que seja o meu oficial da memória é muito pouco para motivação, mas a verdade é que não foi preciso mais. Não percebe as motivações dela. Não sabe que sentimentos possa nutrir por ele, não sabe porque quer rememorar, mas percebeu que será ele a relembrá-los. E aceitou porque não se importa de relembrar-se dessa aventura, desses dias de regras a quebrar, de promessas desenhadas na areia da praia, de sussurros excitados e valores absolutos como a emoção do momento. Tudo. Nada. Sempre. Nunca. Todos. Ninguém. Eu e Tu. Foi pouco para Tudo. Foi muito para Nada. Foi curto para Sempre. Foi longo para Nunca. Foram poucos para Todos. Foram muitos para Ninguém. Foram Eu e Tu. Não foram Nós. Pelo menos até hoje. Se a motivação dela é rememorar, para si é razão suficiente. Toda a que é necessária.

XII
Assim como que exercitando a memória, assim como que preparando-se para cumprir a sua função de oficial da memória, vai antecipando lembranças à mente como quem destapa um baú e solta uma vida inteira aí fechada. Lembra-se de uma mulher de meia-idade, experiente, cheia de vida no olhar, cheia de movimento no corpo, prenhe de amor para dar e, paradoxalmente, de uma insegurança confrangedora na sua própria pessoa. Nasceu para dar. Quando a conheceu tinha dado sempre. Sem nunca saber se receberia de volta. Amá-la foi como dar-lhe a mão. Foi como beber-lhe a água para lhe matar a sede. Lembra um jovem imberbe, inexperiente, pleno de energia, a rebentar de confiança e da ousadia que nela cresce. Um rapaz-homem pronto a receber em si o mundo inteiro. A conquistá-lo. Lembra-se de ter aprendido ela a receber e ele a dar. Esquisita a vida das pessoas e as pessoas na sua vida.

XIII
Às vezes, as pessoas podem não significar muito para nós, podem não captar-nos as atenções todas, podem não ocupar-nos todas as emoções, podem não estar no nosso quotidiano, mas, ainda assim, num determinado momento da nossa existência, podem mudar-nos a perspetiva, e isso, parecendo pouco, é tudo. Esta mulher que vai rever mudou-o para sempre porque alterou a sua perspetiva em relação às mulheres, em relação aos relacionamentos amorosos, à busca do equilíbrio. Foi ela que o ensinou a dar e a ser generoso e atencioso e, sim, isso começou no bailado dos corpos suados mas saiu dessa esfera e veio a orientar todo o seu comportamento para com as mulheres. É por isso que não pode deixar de pensar que não tendo ela sido nada, foi tudo. Em certa medida, deve-lhe, mesmo, o sucesso do seu casamento. O que pensa, o que não pode deixar de pensar, à medida que se aproxima dela, é que não importa tanto a quantidade de tempo que estamos com uma pessoa como a qualidade dele, o que partilhamos, o que aprendemos, o que ensinamos, como conseguimos, ou não, tocar cada pessoa que cruza a nossa existência. Esta mulher esteve na aurora da sua existência como homem e moldou o homem que veio a ser, o mesmo que conduz na sua direção.

XIV
Disse em casa ao que iria. Visitar uma velha amiga. Uma pessoa importante na sua vida. Alguém que não vê há trinta anos.
– Então ainda eras um cachopo!
– Sim, um cachopo a querer ser homem. A importância dela para mim tem a ver, exatamente, com essa transição.
Há muito que cultiva um ambiente de transparência e confiança. Daí a revelação sem subterfúgios. De resto, ela não quereria que ele mentisse. Quase o deixou claro, Só vem se puder e não se prejudique por isso. Não prejudicou. Esta confiança e esta segurança acompanharam-no sempre. Cresceu uma criança normal e feliz, como deveriam ser todas as crianças, fez-se um adolescente dinâmico e ousado, às vezes atrevido, como todos os adolescentes devem ser. Estudou. Formou-se. Tudo dentro da maior normalidade. O que nele se destacou, sempre, foi a segurança com que abraçou projetos e desafios, a confiança nas suas ações, os riscos calculados e assumidos. Estes ingredientes cozinharam-se com a sua sensibilidade e com uma moderada capacidade intelectual e fizeram dele um homem de sucesso. Conseguiu emprego estável, casou, teve filhos, duas meninas, comprou casa, fez férias, trocou de carro, construiu o seu pequeno império de afetos e bens, alicerçado no trabalho e na confiança. Inabalável confiança. Namorou o que quis, com quem quis, teve alegrias e desilusões e, quando olha para trás, sente-se feliz e realizado com o seu percurso. Quando olha para a frente vê outro tanto a conquistar. Sente-se no auge da vida, capaz de abraçar qualquer desafio e por vezes arrisca, quase sempre pensando na família, na mulher, nas filhas. E é esta solidez de estar, é este otimismo constante, este olhar para as barreiras e ver-se do outro lado, que o trazem hoje aqui. Isso e a curiosidade de revê-la. Ninguém sabe como se conheceu egoísta e umbilical na forma de olhar o mundo e em particular as mulheres nele. Eram fontes de prazer e satisfação, eram portos de desafogar a sofreguidão e tomar para si tudo o que os sentidos tinham para dar. Mas tomava pouco. Até que ela o ensinou a olhar a mulher que estivesse consigo. A pensar nela. A dedicar-se-lhe como se fosse a última coisa que fizesse na vida, ensinou-o a escutá-la, a orientar-se pelo seu desejo, qual bússola, no seu corpo, qual mapa de prazer. E é com essa pessoa que vai encontrar-se. Primeiro, possuiu-a, ou foi possuído por ela, a ordem tanto faz, possuíram-se mutuamente com consentimento e incendiado desejo de ambos. Depois, apaixonou-se por ela. Foi rápido como um vírus. E como um vírus demorou mais tempo a afastar do que havia demorado a chegar. Por fim, amou-a à distância. Sofridamente. Mais tarde, ficou-lhe agradecido e reconhecido. Hoje,  admira-a. E, sem dúvida, quer vê-la só porque sim, sem razão nem explicação.

XV
Estacionou na avenida, de frente para o mar. Não estava atrasado. Ficou uns momentos contemplando o oceano, a beber-lhe o poder com os olhos e a alma. Inspirou fundo diversas vezes e sentiu o fresco marinho invadi-lo, o azul enchendo-lhe o peito e pintando-lhe as ideias. Entrou no hotel, perguntou pela esplanada e subiu. Quando saiu para o exterior, não pôde deixar de reparar no esplendor da paisagem. Tão simples. Um areal. Um oceano. Um sol imenso e laranja. Procurou-a com o olhar. Não foi difícil encontrá-la. Só havia ali duas pessoas e só uma era mulher. Vestido encarnado, chapéu de aba larga, casaquinho de malha, óculos de sol, cabelo arranjado. Era a mesma figura generosa e larga, embora envelhecida. Estava bonita. Dirigiu-se para ela. E, com tanto para dizer, silenciaram as palavras com um gesto simples. Ela levantou-se. Ele caminhou na sua direção. E abraçaram-se longamente como quem preenche um espaço vazio de emoções, uma falha, uma ausência. E ficaram sentindo o tempo sem o medir, estreitando laços. Sem palavras, diziam, Nunca me esqueci de ti, Nem eu de ti, Estiveste sempre comigo, E tu comigo, Foste importante para mim, sabes, fizeste-me, Foste importante para mim, sabes, refizeste-me. E quando as palavras mudas, passadas no tato, se diluíram no tempo, as primeiras ecoaram na tarde:
– Esse vestido é o que eu penso que é?
– Com uns arranjos!

Continua…
jpv

Advertisements

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

One thought on “O Ofício da Memória – Ele

  1. Esta história é linda. Quando vem o próximo capítulo? Estou impaciente.

    Gostar

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s