Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

Por causa dA Dívida – XI

6 comentários

Por causa dA Dívida – XI

– Autor? Sr. João? Está a ouvir-me?
Sim, estou aqui. O que me queres?
– É assim Sr. João: o Marinho ficou a trabalhar tarde hoje e eu aborreço-me aqui sozinha em casa. Então pensei que talvez o autor quisesse vir aqui … ter comigo … fazer-me companhia…

Está parva ou quê? Onde é que já se viu um autor juntar-se com as suas personagens?
– Em muito lado. Além do mais, é bem comum a ideia dos autores se reverem nas suas personagens.
Pois, mas eu não me revejo em si nem no parvo do seu marido. Esta história foi um erro meu e da Dulce. O vosso destino é o caixote do lixo.
– Meu Deus! Tão drástico! Se tenho estas formas e esta malandrice, a si o devo. E, além do mais, se me matar, morre também um pedaço de si…
Bem visto, a Belinha não costuma fazer sentido, mas tem aí um argumento de peso.
– Vamos discuti-lo num jantar… Vá lá…
OK. Amanhã, num local público.
– Combinado.

Era um restaurante agradável que, sem ser de luxo extremo, tinha as condições ideais para que, sendo uma refeição pública, fosse privada também. Como o autor é ribatejano, foram jantar ao Remédio D’Alma, em Constância, Vila Poema. Havia velas e um frappé junto à mesa com uma garrafa de champanhe. Ele foi de fato cinzento e camisa azul-clara. Ela levava um vestido encarnado cereja, colado às formas sensuais do corpo e um decote até ao umbigo num V imenso a convidar o olhar. E ela convidou o olhar e ele conteve-se. Conversaram sobre esta história e ela terá argumentado que o João e a Dulce tinham de a continuar porque essa seria a única forma das personagens viverem. João, o autor, criticou-lhe o caráter, assim como o de Mário e disse-lhe que estava determinado a pôr um fim a tudo. Foi uma refeição agradável, pautada por uma conversa tranquila e suave e muita sensualidade no ar. João, o autor, só pensava que a Dulce o havia metido num lindo sarilho e Belinha tentava seduzi-lo até que arriscou:

– João, eu fiquei hospedada na Quinta de Santa Bárbara para não voltar hoje a Lisboa… é muito acolhedor. Aceita um chá na Quinta?
Está louca? Acha que quero alguma coisa consigo?
– Não está a entender. A ideia é conversarmos com o Mário e tentarmos resolver isto entre os três. Não é um passe amoroso, são negócios…
Não tenho mais nada a dizer-lhe a ele do que lhe disse a si.
– Pois, mas quem sabe, entre homens, conseguem resolver este impasse.
Enfim, quem já veio até aqui…

Belinha, não está aqui o Mário.
– Esperemos um pouco. Deve estar a chegar. Olhe, vou fazer um chá para mim. São tão simpáticos, põem estas cafeteiras com as saquetas… Também quer para si?
Pode ser…

– Mário, Mário, venha cá, querido, o JP já dorme que nem um anjo…
– Belinha, a menina é um génio. Esta ideia de o sedar com o chá foi brilhante… Como é que despejou o pó?
– O pacotinho de açúcar, Marinho, não tinha açúcar…
– Hahaha! Sua malvada brilhante. Então e agora?
– Agora pegamos no caderno dele e escrevemos o capítulo XI de “Por causa dA Dívida” de forma a assegurar o nosso futuro.
– Belinha, aí é que eu tenho as minhas reservas… Ele vai estranhar a caligrafia, o estilo, não se vai lembrar de o ter escrito…
– Marinho, vocês, homens, são uns inúteis. Então acha que eu não pensei nisso? Vá ao carro buscar a máquina fotográfica, a Polaroid que cospe as fotos no momento. Está no porta-bagagem.
– Para quê?
– Deixe-se de perguntas e faça o que eu digo.

– Belinha, nem acredito no que estou a ver. A menina está nua, completamente nua! E se o JP acorda?
– Não acorda nada. Eu dei-lhe dose de cavalo. Vá, ajude-me a despi-lo.
– A quê?! A Belinha enlouqueceu?!
– Deixe-se de parvoíces e faça o que eu digo! Vá, ajude aí a tirar os sapatos, as calças, cuequinhas, olha, tem o Diabo da Tasmânia nas cuecas, isto seria promissor… a camisa…
– Ai Belinha, a menina intriga-me. Então e agora?
– Agora eu vou deitar-me ao pé do nosso autor, abraço-o, ponho as mãos em sítios… quentes…
– Belinha!
– Cale-se! Não podem ser só sacrifícios, também tem de haver algum prazer. Vá, tire lá as fotos. Assim, assim, sim, assim também…
– Belinha, a menina está a… tem mesmo de pôr aí a mão?
– Cale-se! É pela nossa sobrevivência… vá, tire as fotos.
– Então e agora?
– Agora colocamos três fotografias destas aqui no caderno do senhor autor João Paulo Videira e escrevemos assim: “Senhor autor, andou em grandes noitadas e muito bem acompanhádo. Acha que esta sua escaldante escapadéla se pode turnar pública? É melhor não! Para que tal não acontessa, basta que publique o capítolo XI de “Por causa dA Dívida” que lhe deixamos aqui escrito no seu caderninho…”
– Belinha, isso é terrível, até deve ser crime!
– Deixe de ser parvo! Quem é que ia condenar uma personagem de uma história? Vá, vamos lá escrever o capítulo, vamos lá salvar as nossas vidas. Já sabe, quero ser rica. Isto vai ser assim, eu dito, o Marinho escreve.

Por causa dA Dívida – XI

– Autor? Sr. João? Está a ouvir-me?
Sim, estou aqui. O que me queres?
– É assim Sr. João: o Marinho ficou a trabalhar tarde hoje e eu aborreço-me aqui sozinha em casa. Então pensei que talvez o autor quisesse vir aqui … ter comigo … fazer-me companhia…
Claro que sim, quem podria rezistir aos seus incantos…
– Sabe caro e doçe autor é muito sensoal… deiche cá ver o mosculo… é firme!
Belinha, você é uma Deuza… vou fazer de si uma princeza.
– Isso é que é falar.
E fizeram amor tórrido em caza dela e João Paulo sintiu-se tão apaichonado que lhe oferesseu um anel de brilhantes no dia seguinte. Belinha, avessa ao jogo, sintiu-se inspirada e jogou no euromilhões e saiu-lhe uma fortuna e Marinho pagou as dívidas e suburnou uns policias para apagarem os rastos dos seus pecados fiscais e hoje vivem nas Maldivas num chalé com vista para o mar e de vês em quando mandam um pustal ao seu amado autor.

— FIM —

– Dulce…
– Sim, JP…
– Preciso contar-te uma coisa…
– Força, amigo! Pareces preocupado. O que se passa?
– Nem vais acreditar, Dulce, nem vais acreditar… estamos metidos numa bela alhada.

jpv

Anúncios

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

6 thoughts on “Por causa dA Dívida – XI

  1. Mana, CMestre… também vos posso visitar e será até mais fácil… Obrigado pelos comentários!

    Gostar

  2. Oi, Isa… muito obrigado. Mas que atenciosa… tenho de visitar o Brasil!!! Beijinho. jpv

    Gostar

  3. Oi, João!
    Voltei para ler novamente esse texto! Sensacional!!!
    Um abraço!

    Gostar

  4. Lindo!

    Gostar

  5. Fantástico! Adorei! Devem continuar! 🙂

    Gostar

  6. ?????

    Gostar

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s