Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

Por causa dA Dívida – XIII

2 comentários

Por causa dA Dívida – XIII

É um edifício antigo, de corredores estreitos e portas de madeira. Tem lâmpadas amarelas e solitárias enforcadas num fio coberto de pó. Cada porta do corredor tem uma placa em metal branco com um número azul. O chão é soalho e esteve encerado em tempos. A tinta da parede descasca-se e há enormes pedaços onde o reboco está visível. À medida que João Paulo e Dulce caminham, o chão range-lhes debaixo dos pés. O gabinete do Inspetor Patilhas e seu diligente ajudante Ventoinha seria o último à direita e teria o número 13.

– JP…
– Sim, Dulce…
– Tinhas dito que ia ser o último à esquerda…
– E qual é a diferença? Temos de nos apresentar na PJ ficcional e não na real.
– Está bem, mas disseste que a esquerda era um sinal de azar porque em latim “esquerda” diz-se “sinistra”… manias! Mas lá que disseste…
– Pronto, pronto, está bem. Arranjas-me a alhada da PJ e ainda queres precisão e rigor na escrita! Altera-se já.
– JP…
– Sim, Dulce…
– Que raio de nomes são esses, Patilhas e Ventoinha? Estás a gozar?
– Estou. Eram os inspetores dos Parodiantes de Lisboa.
– Dos quê?
– Esquece… estou a reescrever.

O gabinete do inspetor Patilhas e seu diligente ajudante Ventoinha seria o último à esquerda e teria o número 13. Bateram.

– Entrem!

Assim que abriu a porta, JP perguntou:

Como é que sabia que era mais do que uma pessoa?
– Antes de mais, Bom dia! E depois fique sabendo que tenho as minhas fontes de informação. Eu trato por tu os seis maiores artolas do FBUI…
Do quê?
– Cale-se e sente-se! O senhor é acusado. E essa senhora também.
Eu?! De quê?
– De cumplicidade.
Acusados?! Senhor Inspetor, peço perdão, mas que eu saiba isto é a PJ, não é um tribunal… E tanto quanto sei, os senhores ainda estão a averiguar… não se percebe o quê, nem porquê, mas ainda estão a averiguar.
– O senhor cale-se! Qualquer coisa que diga neste gabinete pode ser usado contra nós.
Nós?!
– Sim, vós.
Vós?!
– Não nós, vós.
Hã?!
– Deixe-se de confusões. O meu nome é Inspetor Patilhas e este é o meu ajudante Ventoinha, homem de pouca coragem mas que faz tudo o que eu mando. Trabalhámos no privado, mas a coisa estava a ficar feia, o negócio estava fraco. Por causa dos telemóveis e dos computadores já ninguém precisa de inspetores para resolver casos de adultério e crime. Aparece tudo primeiro na Internet. Então, viemos operar para o público. Nas secretas.
Hã?! E nós? O que estamos aqui a fazer?
– Ventoiiiiiinha…
– Sim chefe, diga chefe, pronto chefe…
– Escreva tudo o que estes alegados senhores disserem daqui para a frente.
– Da sua secretária para a frente, chefe?
– Não, seu estúpido, deste minuto para a frente.
– E qual minuto, chefe? O do seu relógio ou o do meu?
– Irrraaa que é burro! Cale-se e escreva!
– Sim chefe, é para já chefe.
– Os alegados autores João Paulo Videira e Dulce Morais alegadamente compareceram nas instalações e nomeadamente da Polícia Judiciária e alegadamente para serem interrogados, quiçá torturados…
Hã?! Tá louco? Torturados?
– Cale-se! Isto aqui não é a sua realidade, é a nossa ficção.
– Como?
– Sim, caro autor, e alegadamente e o senhor não está lá fora, está cá dentro.
Cá dentro de quê?
– Da escrita. Da ficção. Comporte-se! Ventoiiiiiinha…
– Sim chefe…
– Chegue um copo de água ao alegado autor que ele está a suar.
– Sim chefe… … … aqui tem.
– Ventoiiiiiinha…
– Sim chefe…
– ESSE COPO ESTÁ VAZIO!!!
– Ó chefe, e o chefe disse e um copo de água e o chefe não disse e um copo COM água.
– Irrraaa que é burro! Mate a sede ao homem!
– E chefe, isso é que vai ser! E com que arma chefe?
– Irrraaa que é burro! Ventoinha, vá ver se eu estou lá fora!
– Sim chefe. É para já chefe.

Ventoinha abandona o gabinete e Patilhas volta à carga:

– E o senhor alegadamente sabe nomeadamente do que é acusado?
Não faço a mínima ideia, chefe.
– Para si, senhor Inspetor Patilhas!
Certo. Desculpe. Senhor Inspetor Patilhas, não precisa estar sempre a dizer “alegadamente”.
– Culpa sua!
Culpa minha? Isso é absurdo.
– Não é não! E o senhor e é que está e alegadamente a escrever isto! E se quer a minha opinião, eu digo demasiadas vezes alegadamente e nomeadamente, nomeadamente.
Touché!
– Vamos e alegadamente, ao que interessa… o senhor é acusado do crime de abuso sexual de uma personagem de uma história, de seu nome Belinha, o crime agrava-se porque, ainda por cima, não só é autor do crime, como da história onde ele decorre pelo que incorre e alegadamente e na pena de duas prisões perpétuas!
Duas perpétuas?! Está louco?!
– Não! Estou em ficção. Não se preocupe, na página seguinte muda tudo. Mas há mais, sendo e alegadamente e nomeadamente a alegada vítima casada com uma personagem também ela ficcional, de seu nome Marinho, e sendo o senhor autor e alegadamente e nomeadamente casado lá fora e como nesta história realidade e ficção estão misturadas, incorre também no crime de duplo adultério.
Duplo?
– Sim! O seu porque o cometeu e o da personagem porque o escreveu.
Ah, quer dizer que eu sou culpado pela galderice da Belinha?!
– Exatamente. E é aqui que entra e a alegada autora e nomeadamente a Dona Dulce Morais que vai acusada de cumplicidade no alegado crime.
Ó senhor Inspetor, pense comigo, já reparou que essa parte do adultério tem outro tipo de escrita? ESTÁ CHEIA DE ERROS!!! Porque é ficção e porque a Belinha e o Marinho são dois energúmenos!
– Confere. Até para mim aquilo está demasiado mal escrito. Veja lá que escreveram apaichonadocom um “o” no fim e toda a gente sabe que é com um “u”.
Tirem-me daqui!!!
– Não posso. Pelo contrário!
Hã?! Como?!
– Mesmo considerando e a alegada e nomeadamente e a pertinência da sua argumentação e mesmo admitindo que não praticou o adultério que escreveram por si, a verdade é que permanecem provas.
Permanecem provas?!
– Sim, as fotos. Veja!

Patilhas atira com um maço de fotos para cima da secretária onde João Paulo aparece em poses comprometedoras com Belinha. Diversas poses. Muuiiito comprometedoras.

– E o que me diz e nomeadamente agora, senhor autor?
Que vou reescrever esta trapalhada toda!
– Demasiado tarde! Enquanto está aqui a ser interrogado, as personagens Belinha e Marinho foram contactar e nomeadamente um novo autor e uma nova autora, uns que escrevam bem, para lhes reescreverem a história e darem um final digno.
Isso é impossível!
– Impossível? Nada mais fácil. Não esqueça o alegado senhor autor que e nomeadamente da mesma forma que entrou na ficção, também as personagens podem visitar o mundo real.
Absurdo!
– Ai é? Então espere para ver. Mas vai esperar nos calabouços. Ventoiiiiiinha…
– Sim chefe, pronto chefe. E o chefe não estava e lá fora!
– Irrraaa que é burro! Algeme estes dois e leve-os para o calabouço. Mas, Ventoinha…
– Sim chefe…
– Não os ponha ao pé do Esmaga-Ossos que ele anda irritadiço e ainda triturava estes dois e também não os ponha ao pé do leão que eu desde ontem que não dou de comer à besta e podia ser perigoso…
– Atão onde é que eu os ponho, chefe?
– Ó sua cavalgadura, se não ficam com o leão nem com o Esmaga-Ossos e só temos três celas, têm de ficar na do meio!
– Mas… chefe…
– Sim Ventoinha…
– A do meio não tem porta!
– Irrraaa que é burro! Algeme-os às grades!

– JP…
– Sim, Dulce…
– Acho que estamos numa cela sem porta com um bruta-montes à esquerda e um leão à direita!
– Não faz mal, Dulce. O leão está a dormir.
– Deixa-te de brincadeiras, JP. Como é que vamos sair daqui?
– Sei lá! Tu é que vais escrever o próximo capítulo!
– Irrraaa que é burro!

jpv

Anúncios

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

2 thoughts on “Por causa dA Dívida – XIII

  1. Olá Isa, agora a Dulce que resolva! Obrigado por suas leituras!

    Gostar

  2. Nossa, você e Dulce se meteram em uma grande enrascada, João!
    Vida de escritor não deve ser fácil 🙂

    Gostar

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s