Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

A Paixão de Madalena – Capítulo 5

8 comentários

A Paixão de Madalena

Livro I – A Paixão de Madalena

5. O sábado amanheceu frio mas brilhante. Quase como se houvesse esperança no ar. A manhã vai a meio e a sala é modesta, mas absolutamente limpa. Muitos livros à volta, uma cristaleira com poucas peças que se esqueceram de ser usadas, uma mesinha redonda no meio com uma toalha em croché, um bule branco com uma risca dourada na asa fumega um odor claro a erva cidreira e canela, algumas bolachas de água e sal num pires, também ele branco, uma manteigueira, algumas fatias de pão e uma faca sem gume e de folha larga para passar a manteiga loura no pão fresco e macio, um frasco de doce e um açucareiro com torrões lá dentro. Pela janela entra o sol e banha a mesa e desenha sombras com a disposição dos objetos. Entre a sala e a cozinha, Albertina desloca-se com tranquilidade. A vida já lhe ensinou tanto e já lhe trouxe tantas surpresas que poucas são as situações que a possam surpreender. Agirá com naturalidade porque, bem vistas as coisas, natural é a situação. O Criador mandou-nos a este mundo e desde que chegamos até que partimos andamos contando o tempo que por cá estamos como se fossemos todos iguais, sendo certo que o somos à partida e à chegada deixando pelo meio o rasto das nossas diferenças. E acertamos as datas. Falamos ao ano e meio, somos crianças até aos onze, começamos a ser adolescentes aos doze, somos adultos aos dezoito, verdadeiramente adultos aos vinte e um, poderosos aos trinta, experientes aos quarenta, respeitáveis aos cinquenta e a dever tempo à cova a partir dos sessenta e cinco, altura em que ficamos oficial e reconhecidamente velhos com direito a desconto nos transportes públicos. E preparamos as mentes e ajeitamos os conceitos nelas para reagirem com naturalidade a esta ordem de coisas. Somos homens quando chega a idade de sermos homens, mulheres quando chega a idade de sermos mulheres, casamos na idade de casar, procriamos na idade de procriar, vencemos na idade de vencer e morremos quando se espera que tal venha a suceder. Ora, em saindo um de nós desta regulação e desta tácita ordem de sucedâneos, estranham os conceitos, inquietam-se as mentes e reagimos expurgando de nós e da nossa normalidade, a anormalidade sucedida. E ao fazê-lo, expulsamos a mesma diferença que passamos a vida inteira a reclamar como direito. Em abono da esperança na nossa humanidade, alguns de nós abrem os horizontes da leitura da vida e da perceção dos sucedidos nela. E habituam-se a não estranhar. E desenvolvem a tendência de aceitar, mais do que de rejeitar, de incluir, mais do que expurgar. É assim Albertina. Por si começou pois que se divorciou, por vontade própria, numa terra e num tempo em que se não divorciavam os casais e menos ainda por iniciativa das mulheres. Um divórcio era uma desgraça na família e uma mancha no casal com particular ênfase para a mulher, por inocente que fosse. Ora, espírito livre nasceu Albertina e em espírito livre criou Madalena e foi esse espírito que primeiro reconheceu em Kyle e, por isso, resolveu aceitá-lo. Isso e o gosto por chá. São pequenas as coisas, pormenores, que às vezes influenciam as decisões maiores.
-Interessa-me pouco a sua idade e interessa-me ainda menos o que as pessoas dirão. O que as pessoas dizem são palavras. As palavras varrem-se do cimo da terra com uma suave brisa. Quanto a normalidade, lamento, mas não sei o que seja. Nada na minha vida tem sido normal e pouca coisa na vida de Madalena tem sido normal. E nem por isso temos deixado de ser felizes. Interessa-me, isso sim, se gosta dela. Se está disposto a cuidar dela e a fazer disso a prioridade da sua vida. Pelo que viveu, pelo que leu e pelo que viu, Madalena é já uma mulher, mas tem ainda o pensar de uma jovem. Precisa ser acompanhada.
– É isso que quero, mais do que tudo. Acompanhá-la. Cuidar dela. Sinto desejo, sim… como disse, ela é uma mulher, mas antes desse desejo há uma profunda vontade de ampará-la.
– E de ser amparado por ela…
– Não nego. A juventude dela é-me necessária. Estou doente. Ela sabe isso.
– E está mal?
– Acho que sim, mas não penso muito nisso. Nem sou egoísta com isso. Eu não procuro uma enfermeira, senhora Albertina…
– Albertina.
– Eu não procuro uma enfermeira, Albertina. De facto eu não procuro nada, ou, pelo menos, não procurava… Queria só que me deixassem em paz. Que me deixassem acabar em paz, mas Madalena desinquietou-me o espírito e fez-me ter coragem e acreditar que ainda é possível viver.
– E eu preocupada com ela e com o que o senhor lhe podia fazer… o melhor seria preocupar-me consigo… estou a ver que ela lhe deu volta à cabeça…
– Remexeu-ma toda. A cabeça e o coração…
E, em meio desta conversa, surgiu uma voz feminina e jovem:
– Olha que bonito, a brincarem aos adultos, a falarem de mim como se eu não estivesse aqui. Não sei já qual dos dois me disse que isso era falta de educação. Talvez ambos! O mais certo é ter de cuidar de vós… velhotes…
E riu. E arrastou consigo as gargalhadas deles e criou-se ali a sintonia que todos queriam preservar. E o certo é que Madalena pelo que conhecia de cada um viria a ser uma ponte entre todos. E quando se despediram ao final da manhã, Albertina acrescentou com o olhar antecipando uma lágrima, Cuide bem da minha menina. Da nossa menina, emendou Kyle.

Todos os namoros são como os outros namoros e nenhum namoro é como os outros namoros. Tudo é encantamento e enamoramento e limar dos defeitos alheios com os olhos próprios, tudo é essa força magnética de puxar-te para mim e empurrar-me para ti, tudo é marcado pelo olhar benevolente da descoberta e pelo movimento concêntrico da adaptação. E, contudo, cada par tem seus próprios ritmos, suas próprias caraterísticas, seus rituais, suas músicas e suas palavras de encantar. O que, definitivamente, marcará para sempre o namoro de Kyle e Madalena é que foi ele o guia, o tutor e o cicerone e foi ela a aluna aplicada das emoções, das atitudes e da forma como se pode olhar o Universo. Ensinou-a a reagir a pressões, ensinou-a a consciencializar sentimentos, ensinou-a a relacionar-se com os outros medindo forças, ensinou-a as subtis diferenças entre paixão, amor e amizade e ensinou-lhe os sinuosos caminhos que se percorrem no prazer do corpo para conquista da alma. E ensinou-lhe a cidade. Os passeios junto ao grande lago, os locais para comprar as melhores mercearias, os bares mais confortáveis e os poucos pubs importados da Irlanda onde era possível ouvir o jorrar da cerveja, o bater das canecas umas nas outras, as pessoas falando alto e aquecendo o desconforto do local com a sua ruidosa presença. Ele costumava dizer, Isto é a Irlanda diluída pelo frio e pela distância, mas é o mais aproximado. E ela retorquia, Estás sempre a falar do frio de cá, mas lá também é frio. Mas ele não se calava, Onde há dois irlandeses, não há frio, o frio combate-se de muitas formas, os sistemas de aquecimento são menos eficaz! E como sempre acontece foram aprendendo-se mutuamente. Foram percebendo o recorte mental de cada um. Ela percebeu-lhe o caminho de vida atribulado, a ânsia de paz, assuntos por resolver com as filhas, a mente plural e aberta, o gosto pela sedução, o desespero com a doença. Ele viu-lhe o desejo contido de conhecer mundo, outras gentes, outras pessoas, para ela, estar entre as montanhas que cercam a cidade, era como estar aprisionada, viu-lhe a candura e viu-lhe, na malandrice de menina, a sensualidade da mulher que despontava. E quando a cidade estava explorada e conhecida e começavam a desenhar-se rotinas, ele disse-lhe, Um dia destes falo com a Albertina e levo-te a Belfast. Isso sim, é uma cidade. E que tal falares comigo primeiro? Já me perguntaste se queria ir contigo? Não perguntei, nem pergunto, vais e pronto, às crianças não se pergunta o que querem fazer, diz-se! E ela começou a correr atrás dele e ele fugia numa corrida frágil e tímida e quando o apanhou, puxou-lhe as orelhas e mordiscou-lhas e beijou-o e pelo meio disse-lhe em excitação, Temos de castigar o senhor professor!

– Tenho uma má notícia para ti.
– E uma boa?
– Depende de como encarares a má.
– Como queres que a encare?
– Como quero que encares tudo. Com aventura no coração e espaço na mente.
– Espaço na mente?
– Sim, Madalena. Não te feches sobre ti e o teu umbigo.
– Vais gostar do meu umbigo…
– Não me distraias, ouve-me que isto é importante…
– Sim, setôr!
– Abre a tua mente para as oportunidades da vida. O interessante nas oportunidades é que muitas vezes vêm mascaradas de problema. Não sejas pequena no pensar. Não deixes os problemas tomarem conta de ti. Abraça a vida, entrega-te a cada dia como se tudo dependesse dele, agradece o sol e a chuva e, sobretudo, agradece cada pessoa que se cruzar contigo, mesmo que te traga problemas. Os problemas são sofrimento e o sofrimento é aprendizagem e nós nunca aprendemos o suficiente e quando finalmente sabemos algo, estamos prontos para partir… não sejas efémera porque a efemeridade é a tua condição à nascença. Sê perene nas tuas opções e nos teus atos. Imortaliza-te a cada momento, a cada olhar e a cada palavra e, mesmo assim, verás mais tarde que poderá não ter sido suficiente.
Madalena bebeu-lhe as palavras como um néctar de vida, um manual de sobrevivência e gravou-as na mente e no peito. Nunca mais dali sairiam. Contudo, não se deixou iludir em relação ao início da conversa e atalhou:
– E a má notícia?
– No próximo ano não serei teu professor.
– A tua saúde?
– Não. A minha opção!
– A tua opção? Porque te afastas de mim?
– Não me afasto, miúda, aproximo-me.
– Vais começar a fazer sentido em breve ou tenho de esperar?
– Madalena, já passei a fase de achar que isto era uma loucura. Já te inclui no meu céu de estrelas e pessoas boas, já estás no meu coração. Pedi a minha demissão por razões diversas.
– Pediste a demissão? Tu és louco?
– Seria louco se não fosse louco. Tenho pena de só ter-te encontrado agora, mas agora que te encontrei, quero cada momento partilhado contigo. Demiti-me, antes de mais, para ter tempo para nós. Também preciso de tempo para mim, para gerir esta doença terrível que me consome e depois por razões que são dos homens com preconceitos e que combateria noutra altura e noutras circunstâncias. Acontece que, neste momento da minha vida, não me importo de fazer-lhes a vontade e ser um bocadinho egoísta. Afasto-me do trabalho por questões éticas, para que não digam que o professor e a aluna dormem juntos. Sim, não tenho dúvida nenhuma de que a maldade e a inveja reduzirão o nosso amor a um estereótipo pejorativo, a uma coisa feia, quando na verdade é a coisa mais bela que alguma vez me aconteceu…
– Mas nós não dormimos juntos…
– Mas vamos dormir, tens consciência disso…
– E até uma pontinha de ansiedade… só quero que me prometas uma coisa…
– Tudo.
– Vais achar que é coisa de miúda como costumas dizer, talvez seja, talvez seja a Elisabeth Bennet que há em mim, ou então é só uma tolice…
– Desembucha, miúda.
– Promete-me que será especial. Não quero mais nada de ti. Eu percebo que te possas interessar por mim só por causa da minha juventude, pela atração do corpo, mas, ainda que seja uma só vez, promete-me que será especial.
– Enterneces-me e ofendes-me. Já te falei de sexo, eu? Não. E sabes porque não? Porque eu adoro sexo, mas sei que é só um complemento do que as mentes das pessoas conseguem trocar entre si. É preciso desbravar as ideias primeiro. Deixar crescer o entusiasmo, deixar evoluir a sedução e por fim consumá-los num momento… como é que é a palavra que usaste? Especial! Sim, miúda, será especial. Para ambos.
– E enterneço-te com quê?
– Hã?!
– Pois, esse teu discurso todo foi sobre o que eu disse e te poderia ofender, mas também quero saber o que é que te enterneceu?
– Que tu queiras um momento tão íntimo, tão revelador, e tão especial como esse comigo. Que tu estejas disponível para entregar-me a tua juventude em vez de o fazeres com um rapaz da tua idade. Seria o normal, não?
– Os rapazes da minha idade são uns tolos. Acho que por serem da minha idade ainda não estão preparados para dar. Somente para sorver, sugar a emoção e deixar escapar entre os dedos a oportunidade de fazer algo especial…
– Meu Deus, a consciência que tu tens das coisas!
– Com que então demissão?
– Demissão!
– Valho assim tanto?
– Vales o resgate de uma vida.
– Talvez só tenha vindo ao mundo para isso…
– Para quê?
– Para resgatar vidas. Como uma missão, uma predestinação. Madalena a que veio para amar e resgatar.

A conversa foi breve e produtiva:
– Se a Albertina não vir inconveniente, este fim de semana vou levar a Madalena a conhecer Belfast.
– Sabe, Kyle, há uma coisa em que ela tem razão. Temos de deixar de falar dela como se ainda a estivéssemos a educar. Eu criei-a em liberdade. A liberdade das decisões e a responsabilidade por elas. Ela optou. É com ela que tem de falar. Eu não estou a demitir-me de nada. Só não posso substituir-me à Madalena, sobretudo, assumindo nós que estamos perante uma mulher. A sua mulher.
– Sim, tem razão. Só não queria que não soubesse onde ela vai estar.
– Para mim, Kyle, onde ela vai estar é consigo. Nas suas mãos. No seu coração. E isso basta-me.
– Fico feliz por ouvir isso…
– Divirtam-se e…
– Sim?
– Que seja especial!
– Vocês combinam-se?
– Ou estamos irmanadas pela convivência e pelo amor. Chá?
– Sempre. Adorei aquela planta aromática…
– Cidreira.
– Cidreira.

Belfast surpreendeu-a em todos os sentidos. De todas as formas. Maravilhava-se a cada esquina e pedia a Kyle que lhe contasse a história de cada edifício. Apesar de se notarem ainda os efeitos dos conflitos na degradação dos espaços, a cidade afigurou-se-lhe belíssima. Era um emaranhado de ruas estreitas e compactas com muitas delas para uso pedonal exclusivo. A marca da época vitoriana habitava cada edifício e evocava histórias antigas de realezas e cavaleiros nobres. Kyle mostrou-lhe a sumtuosidade do Scottish Provident Building, a harmonia musculada do City Hall onde a levou de novo à noite para verem a cúpula iluminada, a frieza vertical e exótica do Albert Clock, Vê lá se tens o relógio certo, este nunca se engana! Visitaram os jardins botânicos onde fizeram corridinhas e trocaram abraços e beijos apaixonados. A certa altura, Kyle dirigiu-se com ela para o mar, percebia-se pelas gaivotas a bailar e os corvos marinhos agitados em volta delas, até que chegaram junto de uns grandes armazéns que pareciam abandonados e onde jaziam enormes peças de ferro que lhe pareciam pedaços de um gigantesco puzzle tridimensional de um barco.
– O que é isto? É tudo tão velho, tão abandonado.
– São os estaleiros da Harland and Wolff.
– Da quê?
– É uma construtora de navios.
– Muito bem. Apesar de tudo isto ser estranho e feio, conseguiste pôr-me curiosa. Tem tudo sido tão romântico, posso saber o porquê deste momento de sucata?
– É um dos mais interessantes momentos. Poucas pessoas sabem que foi aqui…
– Que foi aqui o quê?
– Já ouviste falar do Titanic?
– Quem não ouviu? Uma história de grandiosidade e terror. Até fizeram um filme na década de cinquenta. É trágica e bela a cena do navio a afundar-se com as pessoas em sentido… não me digas que…
– Exatamente! Foi construído aqui, nestes estaleiros.
– Maravilhoso.
Depois percorreram a Victoria Street e pararam em frente ao Crown Liquor Saloon.
– Este também tem uma história.
– Então?
– Durante a fase mais acesa dos conflitos sofreu várias tentativas de ataque, mas nunca foi realmente atingido.
– Porquê?
– Essa é a parte engraçada. A malta aqui diz que é porque Deus protege os bêbados.
– E bebemos?
– Claro. É obrigatório.

E beberam e passearam pela noite fria e foram-se aquecendo intermitentemente neste e naquele pub e toda a gente parecia conhecer Kyle e toda a gente lhe perguntava quem era aquela e ele dizia com inocência que era a sua namorada. Uns calavam-se, outros riam, outros gozavam e todos acabavam a beber uma Guiness com eles. Chegaram tardíssimo ao hotel e caíram pesados e exaustos na cama. Pensaram diversas vezes, um e outro, que aquela seria a noite dos corpos. Não foi. O dia fora tão extenuante quanto interessante e a noite longa e visitada por muitos vapores etílicos. Foi de madrugada. Ele acordou e viu a luz primeira do dia banhando-lhe a pele. Percebeu-lhe a sensualidades das curvas e dos volumes e, olhando para ela, mesmo sabendo da sua juventude, não podia deixar de admitir que era de uma mulher que se tratava. Com a ponta dos dedos, percorreu-lhe um braço numa carícia suave e sentiu-a acordar ainda que fingisse continuar a dormir. Depois poisou-lhe um beijo no ombro descoberto, e ainda outro no pescoço, ela voltou-se para ele como se acordasse, sem abrir os olhos, e beijou-o apaixonadamente. E sussurrou-lhe, Ensina-me tudo. Ensinarei. Desapertou-lhe o sutiã e beijou-lhe os seios firmes e rosados, percorreu o seu ventre com os lábios húmidos e beijou-lhe o sexo como quem se persigna num altar agradecendo a dádiva e acariciou-a de tal forma que quando se ergueu para tomá-la, ela já estava ansiando que ele o fizesse. E aceitou-o no seu ventre, acolheu-o em si como uma dádiva de vida, recebeu-o para ficar a eternidade toda no seu corpo e na sua alma. E deram-se as explosões todas e voltaram-se a dar. E foram ensinando um ao outro o caminho despudorado do prazer e foram brincando um com o outro como se fossem brinquedo um do outro. E houve libertação. Kyle libertou-se da opressão da doença, sentiu esperança e realização. Madalena libertou-se de si, da sua própria ignorância e cruzou as fronteiras traçadas pelos preconceitos dos homens. Foram um casal. Um homem e uma mulher esgrimindo a sedução e a sensualidade. Foram dois corpos nus inaugurando o amor na madrugada fria de Belfast.

Quando trouxeram o pequeno almoço ao quarto, Madalena devorou-o sentada na cama como se não comesse há uma semana. Kyle viu-a comer com prazer enquanto bebia um café. Depois foi para o chuveiro, abriu a água quente, deixou-a correr sobre a cabeça que ergueu aos céus. Em pensamento agradeceu a mulher que o fizera renascer e era uma pequena oração que murmurava enquanto a água lhe corria pela face misturando-se com as lágrimas.

——————————— jpv ———————————

Anúncios

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

8 thoughts on “A Paixão de Madalena – Capítulo 5

  1. Leu muito bem as minhas intenções narrativas e a construção das personagens. E é uma leitora muito generosa. Quando leio os seus comentários, acredito que um dia conseguirei publicar em papel. Acho que tinha pelo menos uma cliente! Muito Obrigado. Foi muito reconfortante e recompensador lê-la. Um abraço, jpv

    Gostar

  2. Como é bom ter as duas personagens de volta neste novo capítulo!
    A Albertina tem aquela abertura rara e profunda que é tão difícil encontrar. Quanto aos dois namorados, sente-se entre eles uma ternura imensa. Sabe-se pelos capítulos anteriores que não é só uma passada e que o amor durará. Esse conhecimento do seu futuro torna ainda mais profunda e interessante a descoberta do elo que se constrói entre eles.
    Quanto à sua escrita, é perfeita como raramente se vê publicada. A narrativa foi construída de maneira muito inteligente e é uma mão segura que leva o leitor pelos caminhos por si decididos.
    Que prazer!

    Gostar

  3. Minhas amigas transatlânticas, Isa E. e Ingritt, usando uma expressão do maravilhoso português do Brasil, “vocês me deixam até sem jeito!”… Muito e muito obrigado por visitarem este cantinho e lerem meus teus com olhos tão generosos. Leitor@s assim inspiram e motivam os escritores. Estou muito feliz com vossas apreciações e vou já escrever o próximo… aliás, ele já vai adiantadinho… Um grande beijo e de novo muito obrigado! jpv

    Gostar

  4. Realmente,é de cair o queixo…Incrivel, li do começo ao fim(alias ainda nao neh) tudo de uma vez só, gostei muito, o amor realmente nao tem idade,nunca havia lido algo tao diferente e interessante, que desperta em mim um sentimento tao novo em relaçao ao amor, talvez antes houve um muro ao meu redor, imaginar assim uma historia a este modo,um autor que brinca com as palavras, que as leva a lugares e da vida a elas, simplesmente fantastico, estou adorando!!
    bjs e continue a emocionar, nós os leitores…

    Gostar

  5. João,
    Ontem, coloquei a leitura deste maravilhoso romance em dia.
    Saí sem comentar (mas decidi voltar) porque não consigo encontrar palavras que expressem a minha imensa admiração e encantamento por este trabalho incrível. Não há palavras que cheguem.
    Você é brilhante!
    Um grande abraço!

    Gostar

  6. Muito obrigado, D, por um comentário tão simpático… é motivador. Muito. jpv

    Gostar

  7. Dizer que este capítulo é excecional seria dizer pouco. Como não encontro palavras suficientes, direi simplesmente que são as lágrimas mais belas que li até hoje.

    Gostar

  8. Olá Multiplicador, boa tarde!
    Educador, você já conhece nossos novos parceiros?

    Estamos convidando você a:
    – Conhecer os novos blogs divulgados;
    – Saber quem são os multiplicadores do mês;
    – Retribuir comentário em sua postagem (caso tenha), (encontre seu blog de forma fácil através de página ‘índice’);
    – Deixar um comentário para outro blogueiro e ele o retribuirá;
    – Aproveitar a visita e fazer novas parcerias/seguidores;
    _ Também saber as novidades.

    http://www.marquecomx.com.br/
    http://www.educadoresmultiplicadores.com.br/

    O projeto crescerá com a união e a divulgação de todos nós. Mais uma vez, obrigado pela parceira e amizade.
    Excelente semana, fiquemos na Paz de Deus e até breve.

    Gostar

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s