Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

A Paixão de Madalena – Capítulo 7

1 Comentário

A Paixão de Madalena

Livro I – A Paixão de Madalena

7. Foi em Belfast. Kyle pedia-lhe poucas coisas. E Madalena não lhe recusou esta. Percebia que Kyle quisesse reencontrar-se com a cidade e, casando com ela, queria fazê-lo num local do coração, que lhe dissesse muito. Foi a mais íntima das cerimónias. Madalena levou Albertina. Kyle levou as filhas, os amigos da tertúlia e dois ou três familiares. Ela tinha um vestidinho pérola de alças, apertado na cintura para depois se abrir numa roda de pregas e tules. Um coletezinho por cima, cobrindo os ombros, com as mangas justas aos braços e uma fiada de botões pequeninos, muito juntos, desde o punho até meio do braço. Kyle revelou nesse dia o que restava da sua rebeldia. Era uma camisa de seda cinzenta fechada no pescoço com uma gravata fininha de cabedal. Um colete no mesmo material da gravata e umas calças de ganga com um cinto de fivela em cinzento escovado. Entraram no registo civil com sorrisos tímidos e o coração nas mãos. Afinal de contas o noivo tinha quarenta e dois anos e a noiva dezassete. Ficavam bem lado a lado. Indisfarçável a diferença, tanto quanto a ansiedade e a vontade de seguirem em frente. E assinaram. E beijaram-se. Albertina sorriu. A sua menina voara, libertara-se. Imaginara este momento de muitas formas menos desta. Madalena está feliz e isso é o que verdadeiramente conta. Houve uns sorrisos, umas palavras de felicitações, algumas lágrimas, uma garrafa de champanhe e outro beijo, mais relaxado, mais longo. E saíram para a rua. Para a vida que os esperava. Almoçaram num restaurante de Belfast onde Kyle reservara mesas para todos. E o que se seguiu, não sendo uma festa, foi uma festa. As conversas correram com naturalidade, os olhares ficaram tolerantes e os sorrisos enfeitaram a mesa. Ao final da tarde, quando se despediram, o jovem casal deu as mãos e fez a lua de mel improvável. Passearam de mão dada pelas ruas de Belfast como fizeram no dia em que amaram pela primeira vez com os corpos. E tal como nesse dia, não fizeram amor. Deitaram-se enroscados um no outro, entregaram-se as almas, confiaram-se a existência e adormeceram nesse doce encantamento. O da Felicidade.

Pela manhã, fria e cinzenta, com as almas do mundo ainda adormecidas na sua maioria, Kyle deu-lhe uma lição. Encostou-se a ela e sussurrou-lhe ao ouvido:
-Aprende! O setôr vai ensinar-te.
-Hum, hum.
-Não há mal nenhum, certas ocasiões, em seres submissa e deixares o teu mestre cuidar de ti. Essa atitude excita-o porque te sente à sua mercê, um caminho para ele explorar, uma vulnerabilidade que o faz sentir-se o Senhor do Universo. Deixa-lo tratar dos teus cabelos.
E ajeitou-lhe os cabelos desalinhados do sono puxando-os para trás.
-Deixa-lo acariciar o teu pescoço.
E semeou-lhe beijos pequeninos na curva da nuca.
-Deixa-lo sentir os teus seios nas suas mãos.
E tomou-os nas mãos, enchendo-as e deslizando com elas muito suavemente ao longo da sua curva generosa.
-Deixa-lo percorrer o teu ventre.
E percorreu com a língua essa linha reta e tentadora que une os seios ao púbis.
-Deixa-lo refrescar-te.
E soprou-lhe os pelos revoltos e ela contraiu-se um pouco e sorriu.
-E deixa-lo possuir-te.
E beijou-lhe o sexo demoradamente e devorou-lho depois e tomou-a com vigor quando ela própria já não desejava outro destino que não fosse esse.
Madalena aprendeu a relaxar e a entregar-se. Julgava que tinha aprendido tudo e foi por saber que ela pensava isso que Kyle, quando estavam prostrados em silêncio a usufruir do sexo depois do sexo, a informou:
-Não penses que sabes tudo. Tens muito mais para dar. E tens de aprender a possuir. A tomar o teu homem para ti.
-Hum, hum.
-Vamos dar um mergulho gelado e repentino na piscina!
Estava frio, como já se disse, eles desceram em roupas interiores e envoltos nas tolhas de banho do hotel. Quando saltaram para a água, diversos hóspedes afloraram às janelas, alguns empregados espreitaram pelas portas envidraçadas. Com o entusiasmo da água fria no corpo e a sensação de liberdade, Kyle não reparou que tinha uma assistência considerável, viu Madalena no meio da piscina, encheu os pulmões de ar e gritou:
-Abre as pernas, miúda, o teu velhote vai passar!
Uns sorrisos, uma risada incontida, uns sobrolhos franzidos, uns ares de espanto, Madalena corada, Kyle sente o silêncio, percebe o que fez, olha em volta e acrescenta:
-Então? Para eu passar é preciso que ela abra as pernas, não?
As pessoas recolheram-se, viraram o olhar para onde o tinham antes ou fingiram desinteressar-se. Kyle aproximou-se de Madalena, abraçou-a muito apertadinha a si e disse-lhe:
-O mundo não é como to dão. Será como tu o fizeres.
Ao final da tarde, depois de uma refeição devorada, de uma sesta aconchegada, um pouco de leitura e um duche quente, Kyle ensinou-a a descobrir-se.
-Anda cá!
-Sim, meu adorado setôr e marido. Faz-me impressão chamar-te marido…
-Sabes o que é que tens de conhecer melhor para dares prazer ao teu companheiro?
-O meu companheiro!
-Não!
-Não?!
-O que tens de conhecer melhor, antes de mais, é o teu corpo, os teus limites, os teus desejos e aquilo de que mais gostas. Tudo isto é um jogo de dar e receber e é fundamental que conheças muito bem o corpo que vais usar para ambas as coisas. E ensinou-a, como quem encaminha, a acariciar-se, a descobrir-se no seu próprio corpo, a encontrar as zonas onde gostava de ser acariciada e estava já excitadíssima quando Kyle se despiu completamente, a chamou a si e disse:
-Toma! É teu! Faz dele o que quiseres.
-Dele?
-Do corpo todo. Descobre-me como te descobrimos ainda agora. Sacia a tua curiosidade…
-E posso fazer perguntas?
-Todas as que quiseres. E podes até fazer-me pedidos, dar-me ordens, indicações… o importante é que comuniques.
E ela descobriu-o. Com o olhar, com a ponta dos dedos, com as mãos ávidas, com a língua ardente, e vagueou pelo corpo dele enquanto entregava o seu. E fizeram todas estas coisas no dia seguinte ao do seu casamento e isso intrigou-a. Estavam já deitados, dormitando e olhando o teto e sentindo-se por perto e ela resolveu perguntar:
-Se sabias tudo isto, se tinhas tudo isto para ensinar-me, porquê só hoje? Porquê hoje?
-Porque hoje, Madalena, é o primeiro dia da nossa lua de mel e de hoje em diante não teremos segredos, só este receber feito dar, só este amar contínuo e doce enquanto existirmos um para o outro.
Madalena não respondeu. Pendurou-se no pescoço dele e beijou-o longamente.

Já aqui se defendeu a influência que uma cidade pode ter na formação de uma pessoa, nas suas opções, no seu modo de vida. Vem isto a suceder por via das relações afetuosas que as pessoas desenvolvem com as cidades. Belfast marcara Kyle e Madalena, o casal. E, por essa razão, por residirem aí memórias fortes e importantes, por se terem desenrolado nas suas ruas conversas íntimas e reveladoras, dividiram o seu tempo entre a terra das obrigações, Genebra, e a terra das paixões, Belfast. A situação financeira de Kyle, muitíssimo confortável, permitia-lhes fazer fins de semana prolongados, férias e, por vezes, até a loucura de uma fuga de dois dias para a cidade que os acolhera. Uma breve viagem de avião e o mundo mudava. Desvaneciam-se as preocupações, viviam-se as emoções. Era em Belfast que se sentiam inquebrantáveis e eternos.

Ora, é a eternidade, concordará o leitor, outro bom motivo de conversa e, em abono da verdade, esta condição de contador de histórias vai pouco além do que manter uma boa conversa. Eterno, Kyle não será. Estando nós em mil novecentos e noventa, tendo o leitor prestado atenção às primeiras linhas desta história, sabe que morrerá em breve, mais precisamente no Outono de mil novecentos e noventa e quatro. Ainda assim, muito lhe falta viver. Mais do que algumas pessoas que estarão entre nós muitos anos após a partida do irlandês. Contudo, o corpo de Kyle começou a revoltar-se cedo, como se sabe. Ao fim da noite, fora buscar Madalena ao trabalho. Ofereceram-lhe uma Guinessque recusou com simpatia. Umas dores de cabeça e umas náuseas traziam-no indisposto, incomodado, preocupado sem saber com quê. Quando Madalena saiu, beijou-a na testa. Recusou-lhe um beijo nos lábios como se evitasse, por instinto, que algo mau passasse para ela. Conduziu inquieto e ela apercebeu-se:
-Que tens, velhote?
-Estou mal disposto, só isso. Deve ter sido algo que eu comi.
-E o que comeste tu?
-Nada.
-Ora aí está um diagnóstico inteligente! Assim que chegarmos vou fazer-te um chá quentinho. Pode ser?
-Claro que sim! És uma santa!
-Talvez não…
-Talvez não…
Quando chegaram, saíram do carro, subiram as escadas do prédio, Madalena estendeu a sua chave à porta e sentiu um estrondo seco atrás de si. Kyle desfalecera. Ela acabou de abrir a porta, assustada, tentou puxá-lo para dentro, mas era um corpo demasiado pesado para si. Ficou atravessado, meio corpo dentro de casa e outro meio fora dela. Assim ficaria para sempre na vida de Madalena. Ocupando o seu espaço, deixando-lhe outro espaço livre para ocupar. Madalena grita agora, Ajudem-me, por favor, ajudem-me! Os vizinhos e as vizinhas acudiram, pouco depois havia uma ambulância e Kyle seguia para o hospital. Assim há de ser sempre a vida para Madalena. Estendendo-lhe uma mão de felicidade, estendendo-lhe uma mão de sofrimento. Talvez por isso se tenha feito uma mulher forte, segura de si e preparada para o pior. No dia seguinte visitou Kyle.
-Está aqui uma menina para o ver…
-É a minha mulher.
-Está ainda combalido, senhor Mckenzie…
-Mande entrar a menina e quando eu lhe apalpar o rabo venha depois dizer-me que estou combalido.
-Senhor Mckenzie!
Madalena entrou no quarto, aproximou-se dele e beijou-o nos lábios, ele estendeu uma mão e apalpou-lhe o rabo, a enfermeira saiu com um olhar de reprovação e sacudindo a cabeça, só não se percebe porque sorria.
-Estás melhor?
-Pronto para outra!
-Vá lá, a sério…
-Estabilizei. Exames hoje, amanhã nova medicação e volto para casa daqui a um par de dias… e tu?
-Escola na perfeição, trabalho a correr bem, a minha avó tem-me ido buscar. Eu podia ir de autocarro, mas ela insiste…
-Deves aceitar. Faz-lhe bem sentir que não te perdeu de todo. Se a deixares ajudar-te, estás a ajudá-la muito.
-Tens um bom íntimo!
-Sinto a tua falta.
-Eu sei. Também sinto a tua, meu querido.
-Mas…
-Mas o quê?
-Um dia destes pode ser de vez.
-Não digas isso, por favor. Não digas isso! Já chega de perdas na minha vida….
-Nunca me perderás. Estarei sempre contigo.
-Assim está melhor.
-Amanhã também vens ver-me?
-Claro! Que pergunta!
-Podias fazer-me um favor…
-Sim…
-Está um maço de cigarros…
-Kyle Mckenzie! Comporte-se! Ainda nem fez vinte e quatro horas que caíste redondo no chão, estás internado e queres conspurcar o hospital? Se eu não te conhecesse bem…
-Se tu não me conhecesses bem, o quê?
– Se eu não te conhecesse bem, não tinha os cigarros aqui comigo na mala!
-Malvada! Liiinda! Perfeiiiiita! Adoro-te! Põe ali na gaveta.
-Na, na… tudo tem um preço.
-E qual é o teu?
-Essa mão no meu rabo… por baixo da saia!

Kyle recuperou. Estabilizou. A vida passou a fazer-se mais por Genebra. Era necessária alguma prudência e alguns cuidados com a saúde de Kyle. Os fins de semana corriam tranquilos. Liam, conversavam, faziam tardes eternas de chá e biscoitos. Por vezes convidavam Albertina que aceitava e trazia sempre consigo um miminho doce.  E foi numa dessas tardes que a vida fintou a vida, que os afetos inexistentes encontraram chão desconhecido e fértil. A força de Kyle tem sido posta à prova. Chegará agora a vez de Madalena. E vai acontecer-lhe com naturalidade aquilo que acontece com tantos de nós. Da fraqueza surgirão forças, da impreparação surgirá engenho, na impossibilidade se abrirá caminho para a vida. Estão os dois a ler. Madalena mais concentrada. E é por isso que nem ouve o ding-dong melódico da campainha. Kyle sorri e vai à porta. Espreita. Abre. Madalena ouve um conversar em sussurro, como quem não quer incomodar que, ao mesmo tempo, lhe parece uma lamúria. Kyle reentra na sala com um ar preocupado e fala. Ao falar, fá-lo como se não soubesse o que está a fazer. Diz, mas não sabe o que está a dizer. Parece surpreendido e é por isso que as suas palavras são uma afirmação, mas soam como uma pergunta:
-Está ali a tua irmã?!
-Que raio de conversa é essa? Sabes que a minha irmã…
-Então é melhor ires ver porque a pessoa que ali está parece muito certa do que diz.
-Será que…
-Não sei o que será, Madalena, mas aquela pessoa é bem mais velha do que tu e isso não bate certo com o que eu sei.
-Liberta?
Madalena levantou-se num gesto brusco que vai amaciando à medida que se aproxima da porta, levava uma expressão de zanga que dispersou a custo naquelas passadas. E, de repente, enquanto andava, lembrou-se de que fosse quem fosse que estivesse à porta, mesmo que fosse efetivamente Liberta, ela não teria como reconhecê-la. Vira-a duas ou três vezes em visitas fugazes que Albertina fizera a Portugal. Nada mais do que isso e há tanto tempo que lhe resta somente uma imagem esfumada semeada na memória. Abriu a porta que Kyle deixara encostada e pasmou com o que viu. Era uma moça de cara arredondada como a sua, os lábios finos e bem desenhados como os seus, o olhar azul como o seu e os caracóis no cabelo como os seus. Está em total desalinho. Roxa de frio, mal vestida, as roupas velhas e desgastadas, os sapatos tinham andado muito mais do que aquilo para que foram concebidos e isso notava-se nas biqueiras desgastadas e nos tacões arranhados. Lá fora estava frio, talvez uns doze graus e ela vestia um vestidinho de algodão que fora branco e um casaquinho de malha. Aquela pessoa passara mal. Mas não foi isso, apesar de marcante, o que mais chamou a atenção de Madalena. Foi a criança nos braços da rapariga, envolta em panos que tinham sido mantas, e por já nenhum servir  sozinho para aquecer um bebé, todos foram ali juntos e embrulhados uns nos outros à volta da criança.
-Liberta?
-Sim, mana, sou eu. Não me reconheces?
Aquela palavra, mana, ali colocada no meio da frase soara-lhe a falso e normalmente tê-la-ia corrigido, mas o estado da rapariga e a curiosidade a palpitar-lhe no peito, Quem será o bebé? Como será o bebé?, levaram-na a saltar esses pormenores.
-Não te fazia aqui e eu não tenho como reconhecer-te porque não te conheço. Sabes que nos vimos duas ou três vezes por períodos breves quando eu era muito miúda. Eu reconheço-te os meus traços e os da nossa irmã, mas não te conheço.
-Mas sou eu, Madalena, sou eu, a Liberta. Eu vi-te nascer, a ti e à mana, eu estava com a nossa mãe naqueles dias difíceis e eu conheço-te e não tenho mais a quem recorrer. Por favor, deixa-me entrar, deixa-me ao menos dizer-te ao que venho.
-Sim, entra. Suponho que não haverá muitas Libertas neste mundo à procura de uma Madalena…
Liberta entrou. Madalena disse-lhe para aguardar um segundo na entrada, foi à sala, sussurrou ao ouvido de Kyle, Está tudo bem, confia em mim, já volto, foi buscar Liberta e levou-a para o quarto:
-Vais tomar um banho quente, vamos vestir-te e vamos agasalhar-te, vais comer e depois conversamos. Agora é preciso cuidar de ti e do bebé. Vá, despe-te.
-Da bebé. Corrigiu Liberta. E ficou parada, olhando em volta, procurando um sítio para poisar a criança, e os seus olhos pararam em Madalena. Estendeu-lhe a bebé e disse:
-Seguras?
-Não sei se sei…
-É fácil. É como uma bonequinha.
-Nunca tive bonecas.
-Olha, pões uma mão por trás da cabeça e outra por baixo do rabinho.
Madalena segurou a menina e sentiu-se pequenina e vulnerável como ela e, ao mesmo tempo, teve medo. Um medo terrível de a estragar! Estava ali uma vida preciosa a despontar, precisava de cuidados e ela não tinha a mínima ideia do que fazer. Por momentos pensou se não se teria precipitado ao casar-se com Kyle, mas afastou o pensamento e aconchegou a criança a si. E sentiu o seu calor, a sua vida, contemplou a pele rosada e os olhinhos fechados. A bebé acordou, olhou-a em silêncio, como se estivesse a examiná-la e esse olhar que trocaram foi a semente. Liberta tomou banho, vestiu-se e agasalhou-se com roupas de Madalena, bebeu um chá quente e devorou os biscoitos que estavam no pires. Madalena fez-lhe uma sandes que ela comeu também. Depois explicou que descobrira Madalena seguindo-a a partir de casa de Albertina. Esperara vários dias até que acabou por vê-la. E o que vinha pedir-lhe não se atrevia a pedir a Albertina. De resto, quase não falava com a avó. Sabia que estava zangada por causa de assuntos antigos e não ousava pedir-lhe nada.
-Sim, mas o que queres tu, Liberta?
-Ajuda.
-Que tipo de ajuda?
-Eu casei com um rapaz lá da terra, o Bernardino Silva. É bom moço, gosta de mim, é muito trabalhador, mas muito humilde. É pobre como nós. Viemos tentar a vida aqui, mas está a ser muito difícil. Mal temos para comer e é preciso pagar umas dívidas que fizemos por causa da viagem e dos papéis, a legalização. Sabes como tudo é caro aqui…
-Sim, o que precisas é de dinheiro…
-Não é que não desse jeito, mas não me atrevo a pedir para mim. Peço para a menina. Não sei como te diga…
-Sê direta!
-Ela é pequenina. Estou a tentar arranjar trabalho e quando me veem com ela recusam logo. Se me ficasses com ela uma semana
-O quê?!
-Se me ficasses…
-Eu percebi! Só não percebo como podes pedir-me isso. Eu não sei nada de bebés, nem sei a idade dela, nem o nome, Liberta!
-Chama-se Mariana. Mariana Silva e tem duas semanas. Já nasceu cá. Também temos essa despesa para pagar. Por favor, Madalena, só até eu arranjar trabalho. Depois logo encontro quem me fique com ela.
-Não sei que te diga. Estou apavorada. E se lhe acontece alguma coisa?
-Não há de acontecer nada, Madalena. Só uma semana. É tua sobrinha. Podes dar-lhe o que eu não posso. Por favor… eu venho buscá-la de hoje a oito dias.
-E o que é que é preciso fazer?
-Eu ensino-te. As coisas dela estão neste saquinho.
E passaram o resto da tarde conversando. Liberta ensinou os cuidados básicos, mostrou os documentos, falou de horas para comer, de como mudar uma fralda, limpar a criança quando bolsa, ensinou-lhe a preparar o leite em pó e ao fim do dia saiu com mil agradecimentos e despedidas, Até para a semana, disse. Mas nunca mais voltou.
Kyle, que presenciara tudo aos repelões, o suficiente para aperceber-se do que se passara, ironizou assim que Liberta saiu:
-A tua irmã esqueceu-se cá da filha!
-Kyle, por favor, são só oito dias… uma simples semana em que posso matar a fome a esta criança. Ela ensinou-me como fazer.
-E também te ensinou a amá-la?
-São só oito dias, Kyle.
-Tu tens uma vida, miúda. Tens escola, tens trabalho, tens um marido… sei lá, podias ter perguntado o que eu achava…
-Tu achas bem. Tu és o homem com o maior coração do mundo, um defensor dos direitos das pessoas…
-Uma semana?
-Uma semana!

Não fazemos juízos de valor. Julgar é fácil. O difícil é experimentar a pele do outro. Sabemos, mas não exploramos para já, as razões de Liberta. O facto é que passou uma semana e outra e outra e um mês e um ano e outro até que chegou um dia em que Madalena olhou Mariana e viu uma filha e Mariana olhou Madalena e viu uma mãe. E, tendo nós tempo e engenho, aqui relataremos algumas das provações que as esperam. Para já, anda Madalena procurando Liberta porque ainda não sabe que a não encontrará. A sua vida revolveu-se. Deixou o trabalho, procurou uma pessoa que cuidasse da criança enquanto ia à escola e apoiou-se em Kyle que estava habituado a ter mulherzinhas por perto e um dia lhe disse em tom de brincadeira, Se a tua irmã continua a demorar-se, temos de comprar uma casa maior. Madalena teve de adaptar-se à nova realidade e aos novos ritmos. Sofreu com as noites em branco e as idas ao hospital, quase sempre por causa de coisa nenhuma que lhe parecia tão grave e, sobretudo, cresceu. Aprendeu outra responsabilidade. A inigualável responsabilidade de ter ao seu cuidado uma vida humana completamente indefesa. E aprendeu outro amor. Uma dependência. Kyle dizia-lhe com frequência que estava a revelar-se uma boa mãe e daria uma excelente mãe para os filhos de ambos. E combinaram tê-los.

Foi por essa altura que Madalena conheceu Pablo Sentido. Era um eterno amigo de Kyle que havia fugido da Espanha franquista, se mantivera no exílio escrevendo sobre o projeto da Espanha libertada e quando ela finalmente se libertou, ele não regressou. Continuou a escrever e a publicar nos mesmos jornais da reação, desta vez sobre os defeitos da democracia, os abutres do poder, a subjugação do povo pela finança e ainda sobre… sexo! Era um psiquiatra especializado em sexologia que tinha o dom e o gosto da confrontação. Participava nas tertúlias de amigos que aconteciam quando Deus queria embora fossem todos ateus e alguns, até, agnósticos. Ora, Deus, que também tem as suas rotinas, queria sempre à sexta feira, mas não era todas as sextas, era lá de quando em vez. Madalena gostava de os ouvir a discorrer sobre o futuro do mundo pela noite dentro e, por vezes, também participava. Mais recentemente, porém, os cuidados com Mariana obrigavam-na a não ir ou a sair mais cedo. Ficava um bocadinho e depois Kyle ou um amigo ia pô-la a casa para a senhora que ficava com a bebé poder despegar e ir à sua vida. Foi numa dessas tertúlias de visita fugaz que calhou a vez a Pablo Sentido de levar Madalena a casa e iam lado a lado no carro, falando sobre aquelas reuniões de amigos, sobre Kyle, a Espanha, Franco, Portugal e a luta pela democracia alcançada mas instável,Cuidado com os barões, avisava, Cuidado com os barões, que Pablo surpreendeu Madalena:
-Olha lá, tu e o Kyle já fizeram sexo anal?
Madalena petrificou. Sentiu-se invadida e insegura e só conseguiu dizer:
-Para o carro! Eu faço o resto a pé.
-Não te incomodes, miúda, não te ofendas, a pergunta é meramente técnica.
-Nada que te diga respeito.
-Claro! A tua vida com Kyle não me diz respeito, muito menos na intimidade, mas a minha pergunta não era sobre vós, era sobre as práticas e os comportamentos de um casal com acentuada diferença de idades…
-Podias ter começado por aí…
-Rodeios! Para quê rodeios se podemos ser diretos?
-Para sermos educados!
-A educação é uma ficção, um artifício social, não existe.
-Já vi que para ti não.
E a conversa morreu por ali, mas a pergunta ficou plantada na mente de Madalena. Assim que kyle chegou a casa, tomou um duche, deitou-se e ouviu Madalena que ele julgava adormecida:
-Setôr…
-Sim, miúda…
-Porque é que nunca fizemos sexo anal?
-Estou a ver que foi o Pablo quem te trouxe hoje! Ele faz a mesma pergunta a toda a gente. Essa e outras.
-Sim, mas porquê?
-Porque nunca pediste.
-Tu não ofereceste.
-Se tivesse de acontecer, teria de ser pela tua curiosidade e não pela minha vontade.
-É bom?
-Acredito que seja melhor para os homens do que para as mulheres.
-Porquê?
-Acho que nem eles, nem elas, perceberam ainda como pode fazer-se.
-E como pode fazer-se?
-Ao contrário do que a maioria pensa, eu acho que deve ser a mulher a escolher quando isso deve acontecer e, escolhendo, acho que ela deve orientar todo o processo, os pequenos gestos, as carícias, a penetração, tudo isso deve ser ela quem escolhe, quem decide, quem faz…
-Porque pensas isso?
-Porque acho que o sexo só é bom se for bom para os dois, não pode constituir uma invasão e esse tipo de sexo pode ser invasivo.
-Todo o sexo é invasivo…
-Nem todo, mas sim, muito é. Mas este pode ser particularmente invasivo. Ora, se a mulher estiver no comando, isso só acontecerá quando ela estiver completamente preparada, relaxada, desejando que aconteça…
-E…
-E isso é metade do caminho para uma relação bem sucedida…
-E vocês, o que fazem?
-A nós, cabe-nos ser carinhosos, pacientes e… obedientes!
As luzes apagaram-se e quando Kyle adormeceu nessa noite agradeceu em silêncio e pela primeira vez as parvoíces de Pablo Sentido.

As tertúlias eram fantásticas. Eles e elas falavam de tudo, arte, cultura, política, literatura, ciência e discorriam, desenhavam as suas próprias teorias, liam textos, comentavam-nos e decidiam quem eram os verdadeiros artistas, os bons escritores, os políticos de mérito e decidiam também como resolver os problemas do mundo. Havia um momento de que Madalena gostava em particular. Era quando eles analisavam a vida de cada um e davam conselhos sobre o que cada um deveria fazer no futuro. Aquelas pessoas eram genuínas na sua amizade, importavam-se umas com as outras e criavam entre si laços duradouros. Madalena experimentará essa força daqui por uns anos. Para já, o casal Mckenzie é visto como um exemplo do amor puro, da resistência aos preconceitos, da liberdade de decisão da autodeterminação de cada um sobre o seu próprio destino. O gesto de Madalena, quando solicitou a sua emancipação, colheu aplauso e clamor na tertúlia e o seu casamento com Kyle foi um sinal de esperança num Universo moribundo de ideias e liberdade. Jimmy McCarthur, o arquiteto. Um irlandês de famílias abastadas e influentes, amigo de infância de Kyle, que se esperava viesse a assumir a firma de advogados da família, mas se entregou ao trabalho para pagar os seus próprios estudos. Edmond Chevalier, um francês de origens humildes que fizera os estudos com bolsas por via dos excelentes resultados que sempre apresentara até formar-se em Medicina. Exerceu pouco tempo. Refugiou-se na escrita e vive disso. Dominique Pritchard, uma professora belga que seguira a carreira diplomática e estava agora no consulado daquele país em Genebra. Chester Miller, nascido na suíça, descendente de britânicos, empresário na área dos produtos oftálmicos, era uma espécie de advogado do diabo do grupo. Divertia-se a contrariá-los, costumava dizer, Vocês são uns revolucionários de Porto na mão, especialistas do Xerês e do sofá! Eles zangavam-se e zurziam-no de argumentos e no fim brindavam todos. Eram estes alguns dos mais significativos elementos daquela dúzia de amigos que fazia emergir de um bom vinho francês ou de uma garrafa de Porto as mais fantásticas teorias. Tudo fazia sentido para eles e isso era o importante.

Estão juntos hoje. E erguem copos e tilintam uns nos outros e bebem e falam alto e cantam e festejam. Madalena terminou com assinalável sucesso o seu curso profissional e Kyle surpreendeu-a combinando com eles uma tertúlia-festa. Jorraram vivas ao saber, à valorização da mulher, ao poder do trabalho contra a tirania do colarinho branco e alguém disse, com ébrio propósito, Miúda, és finalmente uma mulher livre e armada para vida! E era. Só não o sabia ainda. E, no meio de todo aquele entusiasmo, uma voz se ouviu gritando, Viva a liberdade de expressão sexual da mulher! Um breve silêncio e uma dúzia de pessoas gritou em coro:
-Cala-te Pablo!

Nessa noite, quando chegaram a casa, Kyle mostrou-se inquieto.
-Que tens, velhote?
-Nada, nada…
Era falso. A meio da noite, sem lhe perguntar se ela estava acordada, explodiu:
-Que achas da malta da tertúlia?
-Hummm, vais acordar a Mariana…
-Não é o sono da Mariana que me preocupa, é o nosso. Estamos todos adormecidos. É fácil gritar princípios aos sete ventos numa tertúlia quando todos estão confortáveis e têm um copo de Porto na mão…
-Até pareces o Chester.
-O Chester às vezes tem razão.
-Oh diabo! Estás preocupado com alguma coisa não estás?
-Claro, Madalena. Não sei quanto tempo de vida tenho, não sei o que me resta fazer, mas queria ter uma palavra a dizer na forma como vou gastar esse tempo, queria tentar fazer a diferença, queria mais do que palavras, o ativismo de sofá é uma hipocrisia.
-E porque é que pressinto que já sabes o que queres? E, já agora, pressinto que vem aí coisa da grossa…
-Sim, já decidi…
-Podias ter-me consultado…
-Não precisas acompanhar-me.
-Irei contigo para todo o lado.
-Há a Mariana.
-Irá connosco.
-E sim, desta vez coube-me decidir unilateralmente, mas é mais forte do que eu, estou para morrer e quero ser verdadeiramente útil antes de partir.
-Cala-te com isso! Venha o plano.
-Vais odiar-me…
-Amo-te!
-Quero ir para África…
-Vamos!

———————————– jpv ———————————–

Anúncios

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

One thought on “A Paixão de Madalena – Capítulo 7

  1. Amigo JP,
    Uau! Este capítulo é não só extenso mas também é rico de eventos!
    Um casamento, uma vida a dois que inicia, uma bebé, um grupo de amigos, descoberta (para ela) dos jogos íntimos, e por terminar um projeto de viagem?
    Estou exausta!
    🙂
    Aguardo com muita impaciência a continuação.
    Muitos parabéns pela tua maravilhosa escrita que me faz percorrer a vida das tuas personagens de forma tão intensa!
    Abraços.

    => Crazy 40 Blog
    => MeNiNoSeMJuIz®

    Gostar

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s