Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

Poema da Menina que Vendia Maracujás na Beira da Estrada

2 comentários

Poema da Menina que Vendia Maracujás na Beira da Estrada

Era uma menina,
Chamava-se Inês,
E vendia maracujás
Na beira da estrada.
De seu, não tinha mais nada.

Pé descalço
Salpicando a água da chuva,
Saia verde,
Blusa desabotoada.
De seu, não tinha mais nada.

Um pano no chão,
O tempo todo para esperar,
A fruta amontoada.
De seu, não tinha mais nada.

A um canto do pano, um nó.
Lá dentro, uma nota velha e dobrada.
De seu, não tinha mais nada.

As mãos estendidas para a vida,
A esperança no sorriso da face encantada.
De seu, não tinha mais nada.

Uma troca rápida,
Uma palavra breve,
O olhar de novo na estrada.
De seu, não tinha mais nada,
Inês,
A menina que vendia maracujás
Na beira da estrada.

Chongoene
08/02/2014
jpv

Anúncios

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

2 thoughts on “Poema da Menina que Vendia Maracujás na Beira da Estrada

  1. Muito obrigado pelas suas palavras. Me comoveram. Votos de muita alegria e muita aprendizagem nesse seu curso. Que ele traga saber e felicidade. bjs. jpv

    Gostar

  2. A beleza dos versos me deixam pasma pelo sentimento que traz ao mundo poético. Ja disse e repito que tu mistura em teus escritos realidade e emoção , faz de gestos simples uma bela comunicação da alma humana!! Não sei se não te conte , mas aqui no Brasil curso letras português e espanhol, e neste semestre estou trabalhando na Disciplina de Teoria da Literatura. Nela estamos dissecando poemas e textos na procura de razões e explicações para a arte literária. É um máximo, e com ela acabei percebendo que o principal atrativo de uma obra é o poder e a vontade que ela nos da para ler e reler sempre que desejamos.Abraços!

    Gostar

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s