Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

A Paixão de Madalena – Capítulo 14

2 comentários

e32ae-capa-apm-3

A Paixão de Madalena

Livro II – O Cordeiro de Deus

14. Há palavras que nos afastam da realidade. Que nos empurram para uma espécie de universo paralelo. Porque nos transportam para um sonho, porque nos alegram, porque nos entristecem, porque nos chocam. Foi este o caso. Choque. Em abono da verdade, Madalena não conhecia aquelas palavras. E esse foi o primeiro sinal de alerta. Hipertensão Crónica do Líquido Cefalorraquidiano. Dispraxia. Desfasamento Etário do Desenvolvimento Emocional. Jacob tinha um problema e ela desconhecia as palavras necessárias para o identificar. Estava, por isso, longe de perceber o que se passava com o seu menino e mais longe ainda de perceber o caminho da cura. Rápido lhe disseram que nestes casos não se tratava de cura, não estávamos, ainda, nesse patamar. Por agora, a Medicina contentava-se com tentar perceber o problema que, como ela entenderia, era raro. Poucos casos no Mundo inteiro. Seriam necessários mais exames, novos testes, seria necessária medicação, cumprir com rigor a terapia, e… muito amor. Madalena levantou os olhos para o médico e resmungou:
– Muito amor? Mas acha que lhe tem faltado amor? Se a falta de amor fosse o problema, o meu filho não teria doença nenhuma!
– Não duvido, minha senhora, o que estou a dizer-lhe é que estes pacientes… enfim, o pouco que se sabe sobre eles é que reagem muito bem a climas equilibrados de forte afetividade.
– Preciso de ajuda. Não sei o que ele tem, não consigo perceber, sequer, onde é a doença e não sou inculta, doutor, mas essas palavras não são do meu universo.
– Penso que o seu… penso que o Dr. Sentido poderá elucidá-la em relação a esse aspeto…
– O Pablo tem a vida dele.
– Sim, mas o Dr. Sentido mostrou-se muito preocupado com toda a vontade de colaborar.

– Interessado? Tu mostraste-te muito interessado? Mas quem é que tu julgas que és?
– Pois, tens razão. Eu não sou ninguém.
– Pois não! O médico hesitou, quase ia dizendo que eras meu marido.
– E não sou? Qual é a diferença? Eu nunca serei nada que não queiras que eu seja, mas não podes negar-me os afetos. Nós vivemos juntos, eu, tu, a Mariana, o Jacob…
– Desculpa…
– Estás assustada.
– Pior do que isso. Estou perdida.
– Eu ajudo-te.
– Desculpa!
– Não continues a pedir desculpas ou ainda as aceito!
– Safado!
– Dá cá um abraço.
– Sou uma parva, não sou? Tu é que reparaste nisto, conseguiste a consulta e eu fui uma ingrata.
– Assustou-te a possibilidade de eu te dar como garantida, ter a ousadia de me anunciar como teu qualquer coisa.
– É a minha liberdade, sabes. É a única coisa que tenho, a única coisa que sempre tive e de que nunca abdiquei.
– E não precisas abdicar dela para sermos um casal. Nem sequer somos um casal comum.
– Pois não. Tens razão.
– Afinal, qual foi o diagnóstico?
– Um monte de palavras que eu não percebo.
– Tu ajudas-me com as contas, eu posso ajudar-te com essas palavras…
– Só preciso que me digas…
– Eu sei. Eu digo-te: vai correr tudo bem, Madalena.
– Vai mesmo?
– Vai mesmo!

Foi no Outono tardio. O ar de Genebra já estava frio, o bafo das pessoas já desenhava nuvens de vapor junto ao nariz e as mãos procuravam a face para encontrar o calor do ar expirado. Cachecóis, casacos compridos e um sol doirado, pendurado sobre a cidade como que a iluminar o frio. Marcelle levou-a. Chegaram à porta da universidade e Madalena disse-lhe, como quem antecipa, Espera aqui, eu vou lá sozinha. Procurou o átrio, depois as vitrinas, as pautas, o seu nome, viu as classificações e a vida voltara a recompensá-la. Saiu sorrindo, entrou no carro, abraçou Marcelle longamente enquanto as lágrimas lhe corriam pela face. Depois, beijou-a suavemente nos lábios. Não havia ali desejo. Só gratidão. Contra todas as probabilidades, Madalena acabara o curso dois anos antes do seu final regular. Fora um processo de sofrimento e sacrifícios, mas agora muitas portas se abriam. Agora, só lhe apetecia correr para os braços de Pablo e beijá-lo também, e agradecer-lhe também. E queria trabalhar, queria conseguir o tal trabalho digno que a libertaria de todas as dependências. Poucas semanas depois, ainda antes de terminar o ano de dois mil e um, receberia um convite que aceitaria de olhos fechados. Gesto impetuoso e sôfrego de que não viria a arrepender-se.

 Logo após as notícias preocupantes acerca do problema de Jacob, Pablo Sentido preocupara-se com a possibilidade de ela não resistir à adversidade e entrar em depressão e foi por isso que fez a sugestão mesmo pensando que ela não aceitaria:
– Porque não terminas já o teu curso?
– Porque faltam dois anos.
– E depois? Esse é um curso modular. Podes sempre propor-te aos exames finais.
– Seriam muitos.
– Faz um plano de trabalho, propõe-te aos exames e conclui.
– Não é humanamente possível. Já houve quem tentasse…
– Sim, mas tu não tentaste.
– Estás a empurrar-me?
– Estou.
– Pablo!
– Para quê fingir? A ocupação é o melhor que pode acontecer-te neste momento.
– Mas eu trabalho!
– Trabalho mal pago, não especializado, ou seja, se alguma vez tiverem de dispensar alguém, serás a primeira a sair. Além disso, eu não disse para deixares de trabalhar…
– Pablo! A Mariana, o Jacob, o trabalho, tu…
– Eu?
– Sim… tu és o meu mestre e o meu mestre tem desejos…
– Tu és capaz. Tu sabes que és capaz. Além disso, não suportarás viver a tua vida sem saber se terias conseguido ou não.
– Aquilo tem despesas…
– Que eu pago.
– Não sei…
Mas soube. Poucos dias depois anunciou a sua intenção.

 No primeiro mês trabalhou com particular dedicação. Nem acreditava que lhe pagassem o que estava escrito no contrato. Passou o mês a imaginar que iriam inventar descontos e impostos até ficar o valor que recebia até então. E o final do mês chegou e ela foi verificar o saldo da conta e as lágrimas correram-lhe face abaixo. Normalmente teria de trabalhar quatro meses para chegar àquele valor. Começou a imaginar tudo o que poderia fazer, todas as necessidades que poderia suprimir, os mimos com que iria presentear os seus meninos. Nessa noite quase não dormiu. Amou vigorosamente Pablo, levantou-se e foi fazer contas. Decidiu criar um fundo de emergência para o qual contribuiria mensalmente, decidiu o que melhorar no seu dia a dia e decidiu convidar a avó, Marcelle e Pablo para almoçarem juntos nesse fim de semana. Pagaria ela. No novo trabalho, o acolhimento havia sido fantástico. Pelo facto de ser uma Técnica Superior de Contas, de ter a formação, o diploma, todas as portas pareciam abrir-se, até as da simpatia. Era quase como se tivesse entrado para um clube exclusivo. Renasceu em si a determinação de não esquecer os tempos das dificuldades, de os honrar com trabalho honesto e competente e, como que num retorcido paradoxo mental, cresceu em si, ao mesmo tempo, a determinação de nunca mais voltar a esses tempos.

 Como qualquer outro sentimento, a resignação pode apoderar-se da mente humana  e tolhê-la, impei-la de crescer. A libertação de uma mente pode ser um processo tão demorado e penoso como o seu aprisionamento. Madalena levou tempo a habituar-se às suas novas possibilidades, levou tempo a descobrir o que poderia fazer com a independência conquistada. Levou tempo a soltar-se dos sacrifícios, dos ritmos e dos rituais que tinha antes e houve mesmo pequenos gestos que nunca perdeu. Guardar um fósforo já riscado dentro da caixinha para poder usá-lo de novo ao acender um segundo bico, despejar o óleo de fritar usado num frasquinho para poder reutilizar, ou  cortar a bisnaga da pasta de dentes com uma tesoura para poder rapar todo o conteúdo. Reaprendeu a viver, em primeiro lugar, através das crianças. Começou por comprar-lhes roupa com mais frequência, a renovar o material escolar mais vezes, a encher a despensa com o essencial, mas também com o que noutros tempos seria dispensável. E só depois reaprendeu a cuidar de si. Quando chegou o ano de dois mil e dois, decidiu oferecer-se duas prendas. Uma mais ligada ao trabalho e à matéria. Ofereceu-se um computador portátil. Seria mais fácil transportar o trabalho, poderia, em certas circunstâncias, trabalhar a partir de casa e poderia gerir a sua carteira de clientes com outra eficácia. E uma segunda prenda, de um universo diferente. O dos afetos. Nesse ano, Madalena fará vinte e nove anos, o último aniversário dos seus vintes, uma década que se despede, uma outra que se anuncia. E decidiu, por isso, celebrar esse aniversário com amigos. Alguns colegas do trabalho, um ou outro da faculdade, a avó Bá, Pablo, Marcelle, um ou outro amigo de Kyle cujo paradeiro Pablo conhecia. E estava reunindo numa lista aqueles que por uma razão ou por outra lhe diziam um pouco mais, quando se lembrou de Mark Merrit. Que seria feiro dele? Uma rápida visita a uma caixa de cartão onde guardava coisas antigas foi suficiente para encontrar o número que ele lhe dera em África. Por certo não funcionaria. Ainda assim, tentou ligar. Para sua surpresa, o telefone tocou e uma voz feminina atendeu:
– Bom dia. Com quem deseja falar?
– Com Mark Merrit.
– Só um momento… quem devo anunciar?
– Humm… Kyle, Kyle Mckenzie.
– Senhora Kyle Mckenzie?
– Não. Senhor Kyle Mckenzie. Eu sou a secretária dele.
– Ah! Com certeza. Só um momento…
Quando Mark atendeu o telefone, a sua voz soou inconfundível e Madalena, ao ouvi-la, quase conseguiu sentir o cheiro do café aquecido numa fogueira crepitante na noite africana. Recompôs-se e falou:
– Mark?
– Kyle? Esta voz não é do Kyle.
– Infelizmente…
– Madalena!
– Não era suposto tomares conta de mim?
E reataram laços em poucas palavras. As justificações absurdas de quem não tem nada para justificar, a notícia de que Kyle morrera pouco depois de o conhecer, uma breve e sincopada história dos dias vividos desde então, em Genebra, os contornos da situação atual. E Mark correspondeu com o pouco que reuniu de improviso acerca de si próprio, momentânea carta de reapresentação, a sua saúde, a intermitência na relação com o seu companheiro que ora era tórrida e apaixonada, ora depressiva e distante, o trabalho cada vez mais volumoso e uma vida faustosa de que quase não conseguia usufruir. Madalena perguntou-lhe se não teria nenhuma viagem programada para a Europa nos próximos tempos e Mark Merrit não poderia ter sido mais claro na resposta:
– Não tenho, mas por ti vou de propósito. Devo isso ao Kyle…
– Não é um bocadinho excessivo? Acho que nos conhecemos de umas noites à fogueira a beber café num local inóspito de África.
– Por isso mesmo. Por ter sido tão pouco e ter significado tanto. Diz-me, madalena, achas que as nossas vidas teriam sido as mesmas se não nos tivéssemos cruzado?
– Concordo que não, mas isso pode ter sido mais por causa da missão do que por nossa causa…
– Nós éramos a missão! E só nos tínhamos uns aos outros… de resto… porque me telefonaste?
– Porque… – fez uma pausa – estava à procura de pessoas especiais…
– Eu sou especial?
– Acho que sim.
– Vês, além da honra, isso vem dar-me razão. Uns meses perdidos no deserto à procura do sentido da vida, umas noites à fogueira e é quanto basta para sermos especiais uns para os outros.
– Tens razão, Mark, foi a qualidade do tempo passado. O Kyle gostava muito de ti. Eu admirava a tua irreverência e a tua autonomia. Para mim, és o exemplo do sucesso conquistado a pulso.
– E afinal porque me ligaste?
– Como te disse, vivi uns anos difíceis. As coisas estão a correr melhor e eu decidi celebrar os meus vinte e nove anos. É só daqui por um par de meses…
– Conta comigo!
– Tu vens? Dos Estados Unidos aqui?
– Claro! Dinheiro não é problema, felizmente, estou a precisar de descansar, a precisar de distanciar-me disto tudo, incluindo daquele tipo que aparece de vez em quando lá em casa e a que chamo namorado… vou uns dias antes do teu aniversário e fico uns dias depois, se concordares.
– Isso seria magnífico. Tenho uma amiga que vais adorar… vocês são tão parecidos… podes ficar em casa dela…
– Naaa… não me parece… não te preocupes com isso, a minha secretária vai planear-me a viagem, alojamento incluído.
– Ok.
– Ok. Combinado. Olha…
– Sim…
– Vai ligando…
– Certo. Tens e-mail?
– Claro.

Enquanto esteve em Genebra , ao longo de duas semanas, Mark Merrit ficou no hotel somente duas noites. A primeira e a última. A sintonia foi imediata. Com Pablo, tinha em comum a amizade por Kyle, com Marcelle, as ideias progressistas, a irreverência do caráter, a vertigem da independência, o gosto pela crítica envolta em palavras acidulantes e a ternura por Madalena. Com esta, o brilho no olhar e o gosto por noites longas à fogueira das palavras. Enquanto Mark Merrit esteve em Genebra  saíram muito, os quatro. Pablo conduzia, Madalena a seu lado, os outros dois lá atrás. E o entusiasmo da conversa projetava-se no timbre sonoro das suas vozes. Entre Mark e Marcelle nasceu rapidamente a cumplicidade de terem percebido ambos que, não sendo heterossexuais, homossexuais também não eram. Eram só pessoas. À procura de outras pessoas. A lutar contra rótulos. Mente aberta, preconceitos ao largo. O animado e improvável grupo fez o percurso dos pubs, dos restaurantes, dos teatros e dos pubs de novo. E tudo parecia convergir, lá em casa, noite dentro, com um porto entre as mãos e as palavras a bailar embaladas por espíritos inteligentes e motivadores. Normalmente, Pablo ia deitar-se primeiro, depois era Madalena quem se despedia e os outros dois ou ficavam por ali mais um pouco ou retiravam-se para casa de Marcelle onde Mark se havia instalado em definitivo e onde a conversa continuava até ao raiar do dia. Por uma ou duas vezes, adormeceram no sofá enroscados um no outro, cobertos por edredãos de penas e com os copos da longa noite poisados ali por perto. De manhã, ou saíam para as suas camas ou iam diretos para o chuveiro. Primeiro eu, depois tu. Numa dessas manhãs, Marcelle acordou primeiro e foi para o duche e já saía da casa de banho com as linhas do corpo a verem-se à transparência da túnica  de tecido fino que vestia, quando Mark se levantou para dirigir-se ao seu quarto. E viu-a vir, a silhueta elegante, o ar angélico, o aroma do duche perfumado e algo em si acordou. Foi ao seu quarto, depois tomou um duche em pouco tempo, sem ser convidado, entrou no quarto de Marcelle, entrou na cama, ela virou-se para ele à procura do desejo que lhe vira há pouco quando se cruzaram e encontrou-o. Nesse dia não saíram de casa. Nem do quarto. À noite, jantaram com Pablo e Madalena que viu no olhar de ambos a satisfação do corpo. Sorriu. Sorriram. Quando Pablo se foi deitar, Madalena não resistiu a sondar o incomum casal:
– Então e como é que vocês se estão a dar na minha ausência? O Mark tem-te tratado bem?
– Muito bem – retorquiu Marcelle – e sendo muito honesta e muito direta contigo… aconteceu hoje e foi libertador. Sublime!
– Marcelle! Mark! Que bom! Como fico feliz por vocês! Mas vocês… quer dizer… como é que… ai… não sei se me faço entender…
– Então, Madalena, os meninos têm uma pilinha e as meninas têm uma vagina!
E largaram os três a rir riso cristalino e Madalena retomou:
– E esconderam isto de mim todo o dia, toda a noite e só agora… por causa do Pablo! Não quiseram falar à frente dele.
– O Pablo é um bom homem, Madalena – disse Mark – mas é demasiado masculino, demasiado impetuoso.
– Sim, Madalena, gira tudo à volta do pénis dele. Com o Mark foi libertador porque sendo ele homem, não foi impositivo, e é dotado de uma sensibilidade especial.
– E sendo a Marcelle mulher, Madalena, percebeu o que eu precisava e completou-me.
– O meu Pablo é um bom homem, ele não vos iria recriminar.
– Claro que não. Mas também não iria perceber.
– E eu? Porque me contam com esse entusiasmo a vossa aventura?
– Primeiro, porque tu perguntaste. Depois porque foi uma descoberta. Foi mais uma descoberta. É simples, Madalena, Marcelle e eu falámos em ti durante o dia e pensamos que também tu és uma alma livre como nós, capaz de nos compreender e até de partilhar alguns momentos connosco.
– Soa a convite.
– Não é. É só a constatação de que tu tens uma mente livre e aberta como nós.
– Até posso ter, mas neste momento estou muito concentrada no Pablo e em todas as coisas boas que me estão a acontecer.
Conversaram até muito tarde. Sobre as suas opções de vida, sobre os seus trabalhos, sobre arte, sobre livros. Eram leitores compulsivos. Compararam autores, estilos, falaram das obras que mais os haviam marcado, falavam de cada livro como se tivesse sido um momento único nas suas vidas, uma revelação. Falaram de música, das suas canções preferidas, falaram das outras pessoas, de algumas em particular, falaram do preconceito, do sofrimento e do sucesso e falaram, claro, de sexo.  E cada um disse o que tinha para dizer, sem máscaras, com naturalidade. Perceberam a sintonia entre si, as experiências de vida fortes e marcantes que os tornavam cúmplices e fortaleceram uma amizade. E quando foram dormir foi como se o Mundo se tivesse tornado um local melhor para se viver, mais acolhedor, mas harmonioso. E foi esse sentido de harmonia que guardaram nos seus corações e levaram para o aniversário de Madalena, daí a dois dias.

Foi um dia especial. Em todas as suas vertentes, em todas as suas possibilidades. Madalena há de relembrar o seu vigésimo nono aniversário enquanto tiver memória. Os amigos começaram a chegar por vota das cinco da tarde. Nessa altura, Albertina e os miúdos ainda estavam com eles, as pessoas deliciavam-se com os petiscos que a avó Bá e Marcelle haviam preparado no dia anterior e nessa mesma manhã. Mark encarregou-se da decoração da sala e Pablo comprou um bolo gigante e organizou uma prova de vinhos. Vieram os colegas do trabalho, os da faculdade, alguns amigos de Pablo, e ainda dois ou três do tempo de Kyle, Liberta esteve uns momentos e veio beijar e abraçar a irmã. Soava uma música de fundo, era Jacques Brel e depois Piaf. A noite foi perfeita. Um jantar volante, com as pessoas a circularem animadas pela casa, a petiscarem isto e aquilo, a beberricarem vinhos diferentes sobre os quais opinavam de forma imprecisa mas entusiástica. Fizeram sucesso particular os pastéis de bacalhau da avó Bá. Mark tinha comprado umas garrafas de champanhe que se serviu e muito frio e deu um toque de elegância à celebração. As caras dos convidados transpareciam satisfação e bem-estar, as conversas nasciam a cada canto da casa, a avó Bá saiu primeiro com as crianças para poderem descansar e os adultos ficaram na conversa que começou como uma fogueira, pouco a pouco, e atingiu um auge de trocas de impressões calorosas e crepitantes e era já tarde quando todo esse fogo acalmou e deu lugar a brasas discretas, mas quentes. As pessoas foram saindo, Pablo foi com um dos grupos explorar o resto da noite fora de casa e, por fim, restaram só Madalena, Marcelle e Mark e foi ele que perguntou:
– Já repararam que os nossos nomes começam todos por M?
– Achas que isso é um sinal?
– Não. Nós é que vemos o sinal porque somos atraídos para ele pela nossa própria vontade. Não uma vontade consciente, uma outra mais poderosa que nos contraria a razão.
Levantou-se. Foi buscar uma taça larga que tinha sido cheia com cerejas recheadas de licor e envoltas em chocolate e propôs um jogo:
– Meninas, vamos lá a ver quem merece estas cerejas achocolatadas e cheiinhas de licor. Proponho um jogo.
– Boa, boa, um jogo, que seja interessante…
– Muito. Cada um de nós escolhe uma vítima, um interlocutor, e faz uma aposta em relação a ele, uma espécie de pergunta já com resposta. Algo que o outro já pensou, já pensou fazer, já fez, deseja fazer. Se acertar na aposta que fez, o outro, a vítima que ele escolheu tem de vir aqui à taça tirar uma cerejinha, coloca-a entre os lábios e oferece-a ao outro, assim como se fosse um beijinho achocolatado.
– Espera lá, esse teu jogo tem uma falha.
– Não tem nada.
– Tem, tem.
– Qual é?
– Quem é que garante que a aposta estava certa ou errada?
– O próprio. O desafiado. A vítima.
– Mas a vítima pode mentir.
– É, concordo com a Madalena.
– Meninas, muito mais do que sobre beijos achocolatados, este jogo é sobre confiança. A confiança é a chave disto tudo. A confiança e a partilha.
– Então e sobre o quê podem ser as perguntas?
– Tudo! Desde as coisas mais insignificantes como um livro que tenhas lido, um local onde gostes de passar a tarde de domingo, até às mais privadas e íntimas e reveladoras.
– E é obrigatório responder?
– Se não for, não estamos preparados para jogar, não somos ainda suficientemente próximos. É obrigatório, mas é obrigatório porque cada um de nós aceita isso. Jogamos?
Elas olharam uma para a outra, depois para ele e responderam sorrindo e em uníssono:
– Jogamos!
E jogaram. e, assistindo nós ao jogo, ficámos sem saber onde acabava a sedução e começava o sexo. Sexo não houve. E sexo não deixou de haver. Tudo se passou com certa gradação. Começaram por desafiar-se com apostas fáceis e simples e pouco embaraçosas e talvez por isso as recompensas eram oferecidas sem volúpia. Um simples tocar de lábios, um passar de cereja, Ainda agora era minha, tua se fez. Já aqui se disse que tinham as cerejas licor e é sabido que o licor, mormente administrado em pequenas e persistentes doses, acaba sempre por ter seus efeitos. E teve. Libertou as línguas que começaram a perguntar mais desinibidamente o que as mentes queriam saber. E à medida que as perguntas ficavam mais complexas, mais profundas, e geravam maiores hesitações e inquietações, as respostas vinham mais sérias e pausadas e quando acontecia estarem corretas as apostas, a cereja do vencedor era entregue com maior cuidado, mais demoradamente, prenhe de volúpia. E o que era suposto ser um encosto de lábios, transformou-se numa carícia demorada e em pouco tempo em beijos molhados e ardentes. Todos se recompensaram. Recompensou Mark a Marcelle. Recompensou Marcelle a Madalena. Recompensou Madalena a Mark. Recompensou Marcelle a Mark. Recompensou Madalena a Marcelle. Recompensou Mark a Madalena. Arriscaram. Erraram. Acertaram. E sempre que acertaram foram recompensados de cerejas e chocolate e licor e lábios e língua. E nunca se negaram a uma aposta. Expuseram-se sempre. E, para o final do jogo, já quase não erravam nas apostas que faziam porque se ficaram a conhecer profundamente. Intimamente. E a noite envelheceu. E Mark, como quem sela uma união, foi buscar três copos e uma garrafa de champanhe. Abriu-a. Encheu os copos. Levantou o dele e disse:
– Ao inseparável grupo dos três emes!
Elas ergueram os copos em reflexo do gesto dele e repetiram a mesma frase. Estranha ironia. Inseparável, disseram eles. Separar-se-iam daí por minutos pois Mark e Marcelle rumariam a casa dela. Separar-se-iam daí por cinco dias pois Mark voltaria aos Estados Unidos e ao seu trabalho. Separar-se-iam daí por dois meses pois Marcelle aceitaria uma proposta de trabalho no Canadá. Partiria. Preferia isso a conviver partilhando Madalena com Pablo Sentido. E quererá a vida que se reúnam outra vez. Será à volta de uma fogueira. Em áfrica!

————————– jpv ————————–

 

Anúncios

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

2 thoughts on “A Paixão de Madalena – Capítulo 14

  1. Pingback: A Paixão de Madalena – Capítulo 14 | O Retiro do Sossego

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s