Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

A Paixão de Madalena – Capítulo 17

Deixe um comentário

capa-apm-4

[Aqui se apresenta o 17º de 35 capítulos do romance que publicaremos em breve em livro. A partir deste momento, publicaremos excertos dos próximos capítulos, um pouco de todos eles, mas nunca completos e, uma vez concluído o processo e negociados os termos da publicação, teremos muito gosto em convidá-los para a apresentação pública de “A Paixão de Madalena”.]

A PAIXÃO DE MADALENA

LIVRO III – CAIM E ABEL

17. Sempre assim fora. Vinham de longe os homens que visitavam Maria de Magdala, Madalena chamada por de Magdala ser. Eram viajantes, comerciantes abastados, criadores de gado, gente de trabalho e posses que aparecia em data marcada e só entrava estando na porta sinal que o permitisse. Ela acolhia-os, limpava-lhes o pó do corpo untando-os com óleo e raspando-lhes a pele depois com uma tabuinha polida, e mandava que lhes lavassem as roupas e lavava-lhes os pés como viria a fazer ao pregador errante a troco de nada ou, noutro olhar, como parca e insuficiente paga pela sua vida e pela lição do Amor. E também os alimentava e lhes dava de beber e terminavam o festim com as carícias que sabia preferidas de cada um deles. À sua medida, com seu modo e seu jeito, Maria de Magdala prosperava e só não crescia mais rápida e fulgurantemente porque apreciava mais a tranquilidade do que a posse. Limitou o número de visitantes, limitou os dias em que podia ser visitada e deixou-se ficar no conforto da vida literalmente conquistado com o suor do seu corpo.

É cruel o viajar das notícias. Maria de Magdala recebia alguns pobre e necessitados a quem oferecia uma refeição, uma peça de roupa, um pão para o caminho. Não consta que tivesse alguém vindo agradecer-lhe em nome daqueles que ajudou. Já quanto aos que vinham pelo prazer da carne, depressa as distâncias se encurtaram, depressa viajou a notícia de que havia em Magdala uma Maria que acolhia homens e os limpava e os massajava e se acoitava com eles satisfazendo-lhes todos os desejos, fossem solteiros ou casados, ricos ou remediados. E as mulheres ofendidas enviaram, pagando, quem lhe apedrejasse a porta e lhe escreve a carvão na parede caiada da casa, PUTA, VAI-TE EMBORA! Maria de Magdala, de Madalena chamada, saía pouco. Ainda assim, sempre chegava o dia em que se passeava pelas colinas circundantes, em que ia comprar sedas, em que se deslocava ao mercado a comprar mercearias. Numa dessas saídas, perseguiram-na. Pessoas de Magdala e outras que vieram de terras circundantes foram no seu encalço, atalharam-lhe o caminho, forçaram-na a fugir por esta e aquela rua até chegar a um largo e nele se viu cercada de população e encostou-se a uma parede, único lado de que ficaria protegida. E logo um semi-círculo se formou à sua volta, soaram impropérios e acusações e, céleres, como se quisessem expulsar os seus próprios pecados e demónios, surgiram sentenças e uma emergiu mais contundente e se fez um coro de gente gritando, Apredejem-na! Apedrejem-na! Matem à pedrada a bruxa que enfeitiça os nossos homens! As primeiras pedras voaram, algumas caíram bem perto de si, uma ou outra acertou-lhe no corpo e magoou-lhe a alma mais do que tudo. E uma voz, mais alta do que a multidão, mais grave do que o ruído da turba, silenciou as gentes:
– Parai! Aquele que nunca pecou que atire a primeira pedra!

As pedras que estavam nas mãos nelas ficaram, as mãos erguidas baixaram-se, os olhos voltaram-se para o chão e perderam a chama da violência, as suas mentes começaram a procurar pelos seus próprios pecados e rápido encontraram tantos e tão diversos que mais nenhuma pedra foi arremessada. E Cristo passou por entre eles, segurou Maria de Magdala pela mão e acompanhou-a a casa onde se confortaram e trataram um do outro como já aqui foi relatado.

—————————— jpv ——————————

Advertisements

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s