Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

Crónicas de África – Roteiro Gastronómico de Maputo (1)

1 Comentário

18d31-cronicas-de-africa-img-2

Crónicas de África – Roteiro Gastronómico de Maputo (1)

Maputo, 13 de outubro de 2014

Precisei de tomar banho. Às vezes, lá muito de vez em quando, acontece-me. A caminho da banheira, passei pela balança e assim que vi o número escarrapachado no visor, a pergunta estalou-me na cabeça como uma bomba:

– Mas como é que isto aconteceu?!

Foi ao tentar elaborar uma resposta para aquela pergunta que esta crónica me surgiu. Desde já aviso que isto não pretende ser um roteiro exaustivo, nem sequer pretendo aconselhar ninguém a ir a lado nenhum, nem tenho comissões, nem sou gastrónomo, nem fiscal. Gosto de comer, descansado, em boa companhia, e gosto das memórias que alguns locais me semeiam quando lá como. Ou seja, mais do que um roteiro, é um caderninho de boas memórias gastronómicas. Estou no meu terceiro ano em Maputo e o meu palato lembra-se de algumas coisas que decidi partilhar.

Maputo tem muito mais oferta do que aquela que vou referir e sei que vou voltar para referir outros locais, daí ter numerado a crónica com um (1)… Em todo o caso, vou registar um ou dois pratos por restaurante, aqueles que me agradaram mais, caso tenha lá comido mais do que uma vez, ou aquele que me causou uma excelente impressão. Claro que vou fazer juízos de valor, mas esses decorrem somente das minhas impressões. Não são nenhuma espécie de lei. Mas isso, os leitores já sabiam.

Piri Piri

É talvez o restaurante mais concorrido da cidade, tem uma clientela muitíssimo variada. Muitobem situado no coração da cidade, com serviço rápido e simpático e algumas confusões nas contas, mas nada de preocupante. É que a azáfama é muita. A oferta é variada, mas isso não interessa para nada. No Piri Piri come-se frango de churrasco. Ponto final. Invariavelmente bem confecionado. Há mais. Sem qualquer espécie de problema, afirmo que é onde se bebe a melhor imperial em Maputo. Sempre bem gelada. Sempre bem viva. Sempre perfeita. Não me lembro de ter bebido uma imperial assim-assim no Piri Piri. A mousse de chocolate termina bem. Gasto médio por pessoa: 500 meticais.

Cristal

Nem dá para pensar duas vezes: caranguejo ao natural. Ponto. É claro que a açorda de garoupa e a massada do mesmo peixe são excelentes, mas na Cristal é caranguejo ao natural. Serviço simpático e célere. Para terminar, tem tarte Tatin fantástica. Gasto médio por pessoa: 650 meticais.

Zambi

O ambiente deste restaurante é muito agradável, sobretudo, se decidirmos comer na rua, sob as palmeiras. Da variada oferta, que não conheço, nem é preciso, elejo o prato que comi quando lá fui a primeira vez e que sempre repito quando lá volto. Arroz de pato. É ao sábado. Deve acompanhar com a soberba sangria de champanhe e maracujá. No fim, há um petit gateaux de chocolate com bola de gelado que é divinal. Gasto médio por pessoa: 900 meticais.

Costa do Sol

Dizem as vozes da cidade que o restaurante Costa do Sol já foi bom, que já não é o que era, etc e tal. Mas isso diz toda a gente em relação a tudo. A não perder a decoração interior. A não perder os camarões grelhados com batata frita e molho acre. Tem uma boa imperial. Serviço simpático e célere. Gasto médio por pessoa: 600 meticais.

Mimmos

É um daqueles restaurantes de comida pré-feita, uma espécie de franchising de pizzas e massas ao estilo italiano. A imperial deixa a desejar. Mas o macarrão de galinha assada é delicioso. Vale a pena. O serviço é invariavelmente lento. Gasto médio por pessoa: 450 meticais.

Kalus

Ainda que tenha zonas cobertas, a sala de jantar deste restaurante é, basicamente, num jardim, no centro do qual ficam enormes assadores de carne. E é essa a especialidade da casa. Carne grelhada na brasa. A dita carne compra-se ao balcão, ainda crua, e só depois de feita a aquisição do naco é que ele vai a cozinhar. Ideal para quem quer fazer uma churrascada sem ter de lavar a loiça. O serviço é lento, mas carne grelhada não promete outra coisa. Gasto médio por pessoa: 400 meticais.

Hotel Cardoso

Esqueçam lá a comida. Aquilo é bom por causa da paisagem. O restaurante fica numa varanda com vista sobranceira ao mar. O naco na pedra é excelente. Ambiente super agradável. Serviço muito bom. Gasto médio por pessoa: 1000 meticais.

Clube Marítimo

A localização é convidativa. A esplanada do restaurante fica encostada à rebentação do pacato Índico. O som do mar é a música de fundo e a brisa é inspiradora. Todas as massas italianas são muito boas, mas o que mais me atrai neste restaurante nem é um prato, é uma salada. A salada de marisco é simplesmente divinal. Servida fria, claro, tem um equilíbrio fantástico entre o sabor do marisco e o das ervas usadas para aromatizar o prato. Aconselha-se a caipirinha de maracujá para empurrar. Além disso, este restaurante tem a melhor sobremesa de Maputo. Bolo de mousse de chocolate. É de comer e chorar por mais. Gasto médio por pessoa: 650 meticais.

Mundos

Também é um restaurante de comida pré-preparada. O ambiente é muito agradável. A sala central tem uma cobertura típica de África, feita de ramos muito juntos e apertados, o que a torna fresca e agradável. A espetada de galinha com molho shutney é muito boa. Boa imperial. Gasto médio por pessoa: 500 meticais.

A Casa do Peixe

Aqui está outro restaurante onde o que mais me atrai não é um prato principal. Claro que o filete de garoupa grelhado é soberbo, mas ir à Casa do Peixe e não comer uma sopa rica do mar, é como ir a Roma e não ver o Papa. A sopa é perfeita. É um generoso creme de frutos do mar. Generoso na qualidade da confeção e na quantidade servida. O serviço é simpático e célere. Para fechar, tem um bolo de chocolate que vale bem a pena, na boca, as calorias que hão instalar-se mais abaixo. Gasto médio por pessoa: 1000 meticais.

Marginal

Dar um passeio pela marginal até à Costa do Sol, ir à praia, sentar nas esplanadas improvisadas e comer com as mãos um frango no churrasco com uma 2M a acompanhar não é má ideia. Pezinho na areia e batatas fritas daquelas enormes como a minha avó fazia. Gasto médio por pessoa: 200 meticais.

E pronto, para já é tudo. Agora tenho de ir dar uma corridinha… Um dia destes, conto mais!

jpv

Anúncios

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

One thought on “Crónicas de África – Roteiro Gastronómico de Maputo (1)

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s