Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."

Rouxinol

Deixe um comentário

rouxinol-de-pequim-04.jpg

Na manhã fresca
E revigorante
Veio um rouxinol.
Não havia sol,
Mas cantava alegre
E cistalino,
O rouxinol.

Em meu peito cinzento
E dorido
Ouviu-se um rouxinol.
Não havia sol,
Mas cantava alegre
E cistalino,
O rouxinol.

Sobre tua ausência
E tua distância
Pairou um rouxinol.
Não havia sol,
Mas cantava alegre
E cistalino,
O rouxinol.

À volta de nosso silêncio
E obstinação
Bailou um rouxinol.
Não havia sol,
Mas cantava alegre
E cistalino,
O rouxinol.

E havia no seu canto
Simples e singular
Lição.
Em meio de todo o cinzento
Pode sempre ecoar
Uma canção.

jpv

Anúncios

Autor: mailsparaaminhairma

Desenho ilusões com palavras. Sinto com palavras. Expresso com palavras. Escrevo. Sempre. O resto, ou é amor, ou é a vida a consumir-me! Há tão poucas coisas que valem a pena um momento de vida. Há tão poucas coisas por que morrer. Algumas pessoas. Outras tantas paixões. Umas quantas ilusões. E a escrita. Sempre as palavras... jpvideira https://mailsparaaminhairma.wordpress.com

Este é um blogue de fruição do texto. De partilha. De crítica construtiva. Nessa linha tudo será aceite. A má disposição e a predisposição para destruir, por favor, deixe do lado de fora da porta.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s