Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."


Deixe um comentário

Pôr-do-Sol

pordosol

Tens a liberdade que foi minha,
Tens a canção e o gesto acertado,
Tens o tempo e a opção.
Vives cada passada
Como quem caminha
Em estrada de ilusão.

E sorris ao perigo
E ao desafio.
Tentas sem risco
Nem cálculo,
E corres desenfreado como o rio
Que sabe onde fica o mar.

E tens o amor
Em passadeira estendido.
Tens essa ousadia,
E esse fulgor
De quem não vive arrependido.

Não contas os dias,
Não precisas do tempo,
Não queres o exemplo,
Com que me desafias…

E vives.
E desvives-me os conceitos
E as emoções.
Despregas-me as mãos da Cruz
E lambes-me os rasgões
Na carne
Como se pudesses…
Como se nada mais fizesses…

É já o Sol a por-se.
É já o declínio do dia,
Uma luz amarga e fugidia
Pinta as tardes.
E esse fogo que ardes
E foi em tempos meu
Deixou-me e morreu.

jpv


Deixe um comentário

Recados para o Meu Amigo Orlando

recados-orlando

Terceiro e Acenante Recado.

Querido amigo, Orlando Meneses,

Como tu bem viste, eu sei que não perdes pitada, as equipas a equipar de encarnado e cujo nome começa por um B, este fim de semana, tiveram sortes semelhantes. Ambas mereciam estar a ganhar por 4 a 0 ao intervalo, mas só na segunda parte se fez justiça e levaram de vencida os seus adversários. Não foi nada fácil porque as equipas pequenas agigantam-se quando jogam contra os primeiros da tabela classificativa.

Meu amigo, o recado de hoje nem é tanto sobre futebol. É para te pedir um conselho. Eu vou viajar de Maputo para Lisboa esta semana, mas não sei bem o que hei de vestir. Será que me podes ajudar? É que ouvi dizer que na capital lusa estavam menos oito graus, parece que o frio é tanto que as pessoas cobrem-se com tudo o que têm à mão, até com lenços brancos!

Amigo, sempre a estimar-te. Não percas os jogos da Primeira Liga Portuguesa. Parece que a luta entre os três primeiros está muito acesa.

Com amizade e consideração,

João Paulo Videira


Deixe um comentário

Recados para o Meu Amigo Orlando

recados-orlando

Segundo e Picante Recado

Amigo Orlando,

eu bem sei que tu querias que o nosso Benfica ganhasse por muitos, mas a verdade é que aquela pequena equipa que hoje nos visitou fez muito anti-jogo. Se não me engano, foram umas 74 faltas sem que tivesse havido as expulsões que as leis do jogo mandam.

A verdade, meu amigo, é que aquela pequena equipa de verde produz muito, mas concretiza pouco e, sobretudo, tem uma defesa de manteiga. O guarda redes do nosso Glorioso fez toda a diferença porque é o melhor em Portugal e no mundo. E depois, o nosso ataque não vacila.

Enfim, hoje ao jantar comi uns grelinhos macios e fáceis de trincar. Tive de lhes acrescentar uma malagueta mexicana bem encarnadinha para ganharem mais sabor. Só não gostei de um tipo de preto que andava ali pelo meio a cortar as jogadas de ataque do grande Benfica e sorrir para o WC.

Golos bonitos e alarga-se a vantagem pontual. 4 pontos de vantagem sobre o 2º classificado e a seguir já nem sei quem seja o terceiro, isso já é lá muito para o fundo da tabela. Ainda bem que o Jesus na terra fez descansar os pastorinhos na Polónia e se auto-eliminou das competições europeias. Ganhou muito com isso. Muito inteligente o JJ. Ainda bem que mudou de apartamento. A pouco e pouco lá vai conseguindo o mesmo que o ano passado que é perder tudo. Mesmo com as jogadas do costume que é os vouchers e os insultos gratuitos.

Mas pronto, estes já estão, para a semana há mais, mas parece que vamos ter um adversário a sério, o grandioso Estoril.

Olha, meu amigo, não me respondas já. Respira fundo, vai lá contar os penaltis por marcar que devem ter sido mais de vinte mil. É que agora vou dormir que nem um bebé e sonhar com os voos da águia.

Um abraço vermelhão,

João Paulo Videira


Deixe um comentário

Recados para o Meu Amigo Orlando

recados-orlando

Primeiro e Inaugural Recado.

O meu amigo Orlando Meneses pensa que é sportinguista, diz que é sportinguista, fala com sportinguistas, mas, no fundo, no fundo, é um fervoroso benfiquista dos cinco costados. Caso contrário, como explicaríamos que, em cada dez batidas do seu coração, nove fossem pelo Glorioso? Como se explicaria que todos os seus pensamentos, maus e bons, fossem acerca do Benfica? O meu amigo Orlando Meneses pode não saber, mas ele é um fanático benfiquista. A sua mente está quase sempre virada para o Glorioso. E digo quase porque, como é bom homem e um excelente avô, de vez em quando pensa nos netos!

O meu amigo Orlando Meneses é um brincalhão, gosta de metáforas e ambiguidades e palavras matreiras que dizem sem referir, que sugerem sem dizer, que insinuam sem anunciar… e meteu-se comigo.

E eu que sempre andei ali no politicamente correto, na justiça da análise, na busca da honestidade e da verdade, passava a vida a levar bicadas e apertões no nariz. Ai é?! Pois agora, meu amigo, chegou a hora de partir a loiça toda!

Eu bem sei que hoje estavas à espera que eu me refugiasse no aconchego dos lençóis e não viesse às redes sociais por causa da pizza napolitana. Estás enganado, foi só acabar de fumar o meu cigarro falso que um falso presidente de uma quase falsa agremiação me emprestou e vim aqui dizer-te que o nosso Benfica está apurado para os oitavos de final da Champions League onde, como o nome indica, só estão campeões.

Olha, amigo Orlando, o sorteio é terça feira. Encontramo-nos lá. Ou a ti, desta vez, não te apetece ir???? Desta vez? Huummm… cá para mim não sabes o caminho para a sala de sorteios…

A pizza hoje foi um bocadinho indigesta, mas no fim de semana já comemos coisas mais leves. Verdurinha!

Sempre a estimar-te,

João Paulo Videira


Deixe um comentário

“A Paixão de Madalena” na Feira do Livro da EPM-CELP.

Depois da apresentação, a Escola Portuguesa colhe também “A Paixão de Madalena” na Feira do Livro que começa amanhã.

Um evento a não perder por muitas razões e… mais esta.

Imagens da apresentação de “A Paixão de Madalena” na EPM-CELP .


Deixe um comentário

Um Momento Mágico!

a-paixao-de-madalena-epm-celp

O mínimo que pode dizer-se da apresentação de “A Paixão de Madalena” na Escola Portuguesa de Moçambique, esta tarde, é que foi um momento mágico!

Pedi à minha querida amiga, Olga Pires, que lesse e apresentasse o romance. Ela organizou uma sessão com leitura de excertos por alunos seguida de perguntas sobre as diversas temáticas que o romance aborda, em particular, aquilo a que a Olga chamou de “quebrar tabus”.

Claro que me senti confrontado, mas adorei a experiência e penso que a apresentação foi uma excelente e inteligentíssima promoção do livro e da leitura em geral.

Renovo o meu agradecimento à Direção e ao Centro de Formação da EPM-CELP, aos alunos que estiveram brilhantes, aos amigos, familiares, colegas e leitores que compareceram e, de novo, porque nunca será suficiente, à Olga Pires pelo carinho e pela sensibilidade que colocou na organização da apresentação.

O livro está à venda no Centro de Formação da Escola Portuguesa de Moçambique e em breve estará nas livrarias de Maputo. Quando tal acontecer, farei publicitação.

Muito Obrigado
João Paulo Videira

Um abraço especial ao Pedro Andrade que tirou e gentilmente cedeu a foto.


Deixe um comentário

Alô Maputo! É já amanhã!

Alô Maputo! É já amanhã!
 
Quarta feira, 16 de novembro, 16:30h, Auditório Carlos Paredes da Escola Portuguesa de Moçambique, apresentação do romance “A Paixão de Madalena”.
 
Evento aberto ao público em geral. Vem e traz um@ amig@!
a-paixao-de-madalena-cartaz-maputo


Deixe um comentário

“A Paixão de Madalena” chega a Maputo.

Alô Maputo!
 
Na próxima quarta feira, 16 de novembro de 2016, pelas 16:30h, no auditório Carlos Paredes da Escola Portuguesa de Moçambique, realizar-se-á uma sessão de apresentação do romance “A Paixão de Madalena”.
 
A Olga Horacio Pires amavelmente aceitou o convite para apresentar o romance. Obrigado Olguinha!
 
Estão todos convidados! Claro!

a-paixao-de-madalena-cartaz-maputo


Deixe um comentário

Uma Zanga e uma Citação

???????????????????????????????

A escrita é tramada. Zanguei-me com ela. Zanga antiga de dedicar-me sem medida e não receber em troca a mesma atenção. Zanga antiga de procurar a qualidade, mas andarem textos andrajosos de mão em mão. Que me divorciava, que não escrevia mais, que tinha por vendidos um punhado de livros entre familiares e amigos, que não era vida de escritor este dar sem receber. E mordia-me os calcanhares da mente a história daquele tipo que publicou catorze romances inteiros em doze anos, todos feitos de páginas às centenas e capas rebrilhando nos escaparates. E eu aqui, tecendo e destecendo, qual Penélope das palavras, amanhando investigações, enjeitando umas frases e erguendo outras à luz cristalina de meus dias não mais que um romance a cada par de anos vencido. Mas a Escrita é amante caprichosa. Que não, não haveria partilhas, que o casamento seria para sempre, que teria de continuar a suportar-lhe os trejeitos de dama que subjuga o coração de quem a ama e ela me suportaria os dias em branco, as linhas riscadas, as páginas desconseguidas… Mas não, homem que é homem, por macho ser, leva  a sua adiante, e vai de depor as armas e arrumar as canetas e esconder os cadernos e comprar livros e ler. Seria leitor por vingança de não ser lido. O primeiro sinal de recaída foi um caderno em branco de capas acastanhadas e gravadas de palavras no exterior. E lá dentro, nada. E depois um outro, discreto, com uma fitinha de marcar páginas e limites. E depois uma caneta. Coisa imperdoável de se desperdiçar ali, na montra, a olhar. E assaltou-me, à traição, uma personagem, e invadiu-me a imaginação uma história e entre a verdade esfumada na pobreza da memória e a vívida clareza dos momentos a perpetuar, sentei-me a rabiscar. E a zanga cá andava no peito a perder terreno para o entusiasmo desta nova história que chegou calma, tranquila e sem pressa. Assim começa: “Quando nasceu, Indesejada da Conceição Nhaca, não soube, não poderia ter sabido, que viera a este mundo para ser emigrante em sua própria terra, estranha no chão que a ouvira chorar pela primeira vez, despojada dos afetos, filha da miséria. Mas não foi isso o pior que a vida lhe reservou.”

João Paulo Videira