Mails para a minha Irmã

"Era uma vez um jovem vigoroso, com a alma espantada todos os dias com cada dia."


2 comentários

Amanhece… 

Amanhece.
E com o amanhecer,
Até parece
Que vale a pena viver.
A Natureza,
Em sua pujança matinal,
Renova a luz,
Renova o espírito,
Renova o Universo,
Em cada aurora inaugural.
E cria em mim
Esta turva ilusão
De que cada dia
É um dia novo,
Uma nova canção.

E tudo isto é belo,
E tem seu sentido,
Mas anda um poeta
Pelas noites da alma
Só…
E quase perdido.

Que amanhecer é esse
Em que te não vejo
E te não ouço?
Que poder é esse
Em que tu podes
E eu não posso?

Entardece minha vida.
Aproxima-se a partida.
Neste breve entardecer
Não há manhã
Que me resgate
À fortuna de morrer.
Uma palavra que fosse,
Uma palavra e um gesto sereno…
O tempo esgotou-se.
Para tanto desejo,
Meu desejar é pequeno.

Anoitece.
O céu imenso escurece
E com ele meu peito.
Resta um homem só,
Refugiado
Num corpo imperfeito.

Vem de novo o silêncio,
Esfumam-se os traços do teu rosto,
Tuas expressões já esqueço.
Invade-me o breu
E anoiteço.

jpv

Anúncios


2 comentários

Morrer

africa-tree

A ausência da palavra.
A dor do silêncio.
O inequívoco rumo
Da flecha.
Uma alma vergada
Ao sofrimento
Num corpo só
E exilado de ti.
Um grito, primeiro.
Depois, um lamento,
Um debater-me com o inexplicável.
E por fim o choro.
Caminho cego
E prometo voltar a ver,
Mas nada já me resta
Na vida
Melhor que morrer.

jpv


2 comentários

Limiar

Limiar

Não há mais palavras
Nem vontade,
Nem desejo.
Há só a calma aceitação
Do que sinto
E do que vejo.

Era tão bom
Quando ainda me importava.
Quando havia luxúria no meu corpo.
Quando a energia me arrepiava as carnes
E o cheiro do teu corpo
Bloqueava os outros sentidos.
E o sentido era único.

Já não quero a eternidade.
Não me diz nada o tempo todo.
Tinha uma só vida…
E adiei-a.

Tinha uma só voz
E poupei-a.

Tinha um só corpo
E preservei-o.

E nada me resta mais
Que a condição miserável
De morrer conservado
E saudável.

Bebam o álcool todo!
Fumem todo o tabaco!
A vida é um barco
E não há terra.
Deleitem-se com todos os corpos,
Possuam todos os sexos!
E caminhem nus pela praia da vida
Na aurora de cada dia.
Nada mais existe do que o momento.
Cada momento
É todo o tempo
Que temos.
Cada dia é a hora de ser vivido.
Amanhã é tempo perdido.

E quando olhardes para trás,
Contemplai
Um lastro de vida vivida,
Um rasto de experiência
E desperdício.
Os verdadeiros despojos
Do exercício
De sentir-se único e vivo.

E pagai para ver!
Correi todos os riscos!
Só no limiar do azar
Abunda a sorte.
A vida inteira e única
Só se conhece nas fronteiras da morte.

jpv


Deixe um comentário

O Corpo do Jovem

0c66a-mortedalma

Nesse sinuoso caminho,
Trilhado com dor e sangue
Jaz morto e frio,
O corpo do jovem, exangue.
Tombou lá longe, sozinho.
Não tinha nada de seu,
De seu não tinha nada.
Só a alma envolta no breu,
E a carne, a golpes, dilacerada.
E vive exultante em meu peito,
Neste fogo de paixão que me consome.
Esse menino que morreu lá longe,
Viveu e fez-se homem.
Por cada golpe
E por cada ferida que dói,
Morre mais o menino
E cresce, em mim, o herói.

E tenho esta visão,
Este conforto de assistir
À grande revolução
Que é ver-te partir.

 jpv


Deixe um comentário

Espectro

6428c-morteEspectro

Queria viver outras vidas,
Mas só me resta…
Esta.
Queria viver outras aventuras,
Encontrar novos portos,
Desvendar outras ternuras.
E ser outro homem
Sendo o mesmo.

Queria viver outras vidas,
Mas só me resta…
Esta.
Morrer outros problemas,
Enfrentar fantasmas diferentes,
Chorar outras lágrimas,
Ter outros amores ausentes.
E ser outro homem,
Sendo o mesmo.

Queria viver outras vidas,
Mas só me resta…
Esta.
Lamber o sal de outros corpos,
Despedir-me de outros mortos,
Viajar outras viagens,
Estender o olhar noutras paragens.
E ser outro homem,
Sendo o mesmo.

Queria viver outras vidas,
Mas só me resta…
Esta.
Trabalhar outros trabalhos,
Beber na pele outros orvalhos
E rasgar a carne nos espinhos de outras roseiras.
Descansar outros descansos
E suar outras canseiras.
E ser outro homem,
Sendo o mesmo.

E há nisto tudo
Uma prisão
E uma finitude
Que me ofende
E oprime.
Não me chegam as promessas
De outras vidas,
De aléns oferecidos pelas divindades
E pelos livros sagrados.
Não me chegam os jardins
Nem os juízos, nem os encontros entre finados.
Não me chega a eternidade prometida
Se esta é a única e verdadeira vida
Que vejo e sinto em mim.
Nada me chega
Se paira sobre tudo isto
O lúgubre espectro do fim.

jpv